Após 36 anos, caso Marco Aurélio é reaberto depois de revelação em leito de morte

·4 minuto de leitura
Marco Aurélio Simon desapareceu aos 15 anos em 1985 no Pico dos Marins em Piquete, no interior de SP (Foto: Arquivo pessoal)
Marco Aurélio Simon desapareceu aos 15 anos em 1985 no Pico dos Marins em Piquete, no interior de SP (Foto: Arquivo pessoal)
  • Marco Aurélio Simon desapareceu aos 15 anos, em 1985, no Pico dos Marins, em Piquete (SP)

  • 36 anos depois, a investigação do caso foi reaberta pela Polícia Civil

  • Inquérito foi retomado após autorização da Justiça, com novos indícios sobre o que pode ter acontecido; de acordo com a polícia, há possibilidade de que Marco Aurélio esteja vivo

Em junho de 1985, o escoteiro Marco Aurélio Simon desapareceu em Piquete, no interior de São Paulo. Na época, as buscas duraram 28 dias, mas o inquérito foi encerrado sem conclusão em 1990. No entanto, em julho de 2021, ou seja 36 anos depois, a investigação do caso foi reaberta pela Polícia Civil após novos indícios sobre o que pode ter acontecido.

Com 15 anos de idade, o garoto e mais três amigos subiam o Pico dos Marins, montanha de mais de 2.400 metros de altitude, com a ajuda de um líder dos escoteiros. No trajeto, um dos meninos torceu o pé e Marco Aurélio voltou para buscar ajuda. Porém, ele nunca retornou.

Leia também:

Segundo o G1, o inquérito foi retomado após autorização da Justiça, com novos indícios sobre o que pode ter acontecido. De acordo com a polícia, há possibilidade de que Marco Aurélio esteja vivo. Hoje, ele teria 51 anos de idade.

O delegado responsável pelo caso a partir de agora, Fábio Cabett, solicitou à Justiça o desarquivamento do inquérito em junho deste ano, após o pai do escoteiro, o jornalista Ivo Simon, de 82 anos, ter procurado a polícia com informações.

Segundo os novos indícios, Marco Aurélio teria sido morto e enterrado em um local onde hoje fica uma pequena casa, na área em que os escoteiros haviam acampado à época, na zona rural de Piquete.

"Temos duas vertentes a serem trabalhadas: de que o Marco Aurélio estaria enterrado nessa área e a outra de que teriam visto um morador de rua em Taubaté, com os mesmos traços dele. Já oficializei as penitenciárias, fiz contato com a polícia da cidade e a técnica que projetou um cronograma de ações em três etapas, com reconhecimento de área, equipamentos e a escavação de fato", disse o delegado.

As primeiras diligências tiveram início na última quinta-feira (15), quando o delegado esteve com o pai do escoteiro na propriedade para reconhecimento de campo (Foto: Arquivo pessoal)
As primeiras diligências tiveram início na última quinta-feira (15), quando o delegado esteve com o pai do escoteiro na propriedade para reconhecimento de campo (Foto: Arquivo pessoal)

As primeiras diligências tiveram início na última quinta-feira (15). De acordo com o G1, o delegado esteve com o pai do escoteiro na propriedade para reconhecimento de campo. 

As próximas ações deverão contar com policiais e peritos de cidades da região e de São Paulo, além de cães farejadores, escavações e derrubada de árvores do local. Não há prazo para conclusão dos trabalhos.

Além disso, está previsto para que na próxima semana o delegado visite Minas Gerais, no local onde vivem as duas filhas do antigo proprietário do imóvel apontado como possível local de um suposto crime. 

Desaparecimento de Marco Aurélio Simon

O escoteiro Marco Aurélio Simon desapareceu na manhã do dia 8 de junho de 1985. Ele e outros três amigos, todos com 15 anos à época, estavam acompanhados de um líder e tentavam alcançar o cume do Pico dos Marins (SP).

No caminho, um deles torceu o pé e o líder autorizou que Marco Aurélio voltasse sozinho ao acampamento para pedir ajuda. O grupo se perdeu e, quando chegou ao local, encontrou a mochila de Marco Aurélio, mas o adolescente não estava lá.

Foram 28 dias de buscas com policiais de diferentes corporações, além de mateiros, alpinistas, especialistas e aeronaves. Até hoje, nenhuma pista do escoteiro foi encontrada.

Teoria do desaparecimento é desmentida pela polícia

Nos últimos dias, circularam em grupos de WhatsApp, vídeos e áudios sobre um possível desfecho do caso. A informação é de que uma mulher, no leito de morte, teria informado que Marco Aurélio foi morto por seu irmão, que tinha doenças psíquicas.

O pai deles teria enterrado o corpo do menino debaixo da cama do casal, para proteger o filho. Anos depois, foi construída no local uma capela, na antiga base do Pico dos Marins. 

A informação, no entanto, não é confirmada pela Polícia Civil e o delegado desmentiu os boatos.

“Tem essa informação, de que o pai [do suposto criminoso] teria enterrado o garoto [Marco Aurélio] debaixo da cama para proteger o filho, mas essa mulher [responsável pelo áudio] não disse nada disso. Agora, todo cuidado é pouco. Essas informações só atrapalham o nosso trabalho”, disse o delegado do caso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos