Caso Marielle Franco chega ao quinto delegado sem encontrar mandante

·2 min de leitura
Ato em São Paulo no marco dos três anos da morte de Marielle Franco, em 2021. Foto: REUTERS/Amanda Perobelli.
Ato em São Paulo no marco dos três anos da morte de Marielle Franco, em 2021. Foto: REUTERS/Amanda Perobelli.
  • Alexandre Herdy, da DP de Botafogo, assumirá o caso Marielle Franco

  • Responsável por investigação até agora era Edson Henrique Damasceno

  • Polícia Civil realiza trocas nos comandos

O caso do assassinato da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, em março de 2018, vai ganhar seu quinto delegado responsável, conforme informações de um boletim da Polícia Civil da noite desta terça-feira (1).

O atual responsável pelo caso, Edson Henrique Damasceno, titular da Delegacia de Homicídios da Capital, vai ser transferido para a chefia do Departamento-Geral de Homicídios e Proteção à Pessoa (DGHPP).

Ele será substituído ainda essa semana pelo delegado Alexandre Herdy, até então titular da 10ª DP (Botafogo). A distrital passará a ser comandada por Daniel Rosa, que sai da 15ª DP (Gávea).

Quase quatro anos e quatro delegados depois, a investigação ainda não foi capaz de apontar o mandante do crime. Veja a lista dos que estiveram à frente do caso.

  • Giniton Lages (2018-2019);

  • Daniel Rosa (2019-2020);

  • Moisés Santana (2020-2021);

  • Edson Henrique Damasceno (2021-2022);

  • Alexandre Herdy (2022).

A última mudança no comando da investigação foi feita em julho de 2021. De acordo com outra edição do boletim interno da Polícia Civil do RJ, Edson Henrique Damasceno passava a delegado titular da Delegacia de Homicídios da Capital.

Damasceno também esteve à frente das investigações da morte do menino Henry Borel, na 16ª DP (Barra da Tijuca).

Relembre o caso Marielle

Marielle Franco e seu motorista, Anderson Gomes, foram executados em março de 2018 em Estácio, na região central do Rio. Em 2019, a polícia afirmou ter prendido os autores do crime: o policial militar reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio de Queiroz. No entanto, não se sabe ainda os mandantes do crime.

Além do mandante, os agentes da Delegacia de Homicídios e o Ministério Público não localizaram até hoje a arma usada no crime. Segundo a perícia, foi usada uma submetralhadora MP-5 com munição UZZ-18.

De acordo com a investigação, os fuzis foram jogados no mar no dia seguinte à prisão de Lessa, em março de 2019. O MP tampouco confirma que o MP-5 usado no assassinato está entre o material descartado.

Os ex-PMs estão presos nas penitenciárias federais de Campo Grande e de Porto Velho. Eles vão a júri popular, em data ainda não marcada.