Caso Prevent Senior: Prefeitura de SP pediu intervenção estadual em 3 hospitais em 2020

·3 minuto de leitura
Foto: Divulgação/Afonso Braga/Rede Câmara
Foto: Divulgação/Afonso Braga/Rede Câmara
  • CPI da Prevent ouviu coordenador da Covisa

  • Estado teria ignorado pedido de intervenção

  • Relatório de visitas indicam diversas irregularidades

O coordenador da Coordenadoria de Vigilância em Saúde (Covisa) da Prefeitura de São Paulo, Luiz Artur Vieira Caldeira, afirmou nesta quinta-feira (14) que foram feitas inspeções em três hospitais da rede Sancta Maggiore, da Prevent Senior, em março de 2020. A ordem foi dada pela administração municipal após o aumento do registro de infecções e internações por covid-19 no Brasil, que também pediu a "intervenção temporária" das unidades depois de identificar irregularidades.

Segundo Caldeira, o estado não respondeu à solicitação da prefeitura. “Não tivemos notícia e nem retorno oficial do retorno das medidas tomadas", afirmou à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que investiga a rede de hospitais e planos de saúde, na Câmara Municipal de São Paulo.

A CPI foi criada há uma semana para investigar as supostas irregularidades fiscais e violações éticas cometidas pela Prevent Senior na cidade. O depoimento de Caldeira foi o primeiro na comissão.

Leia também:

O ofício, datado de 27 de março do ano passado, com o pedido da intervenção, foi exibido durante a audiência. O documento levava assinatura do secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, e foi encaminhado ao então secretário estadual da Saúde, José Henrique Germann Ferreira.

O vereador Celso Giannazi (PSOL) se espantou com a falta de reação do estado de São Paulo, e questionou o coordenador da Covisa. "Um ofício encaminhado pela autoridade máxima da Saúde de São Paulo depois de um ano e meio não ter uma resposta formal, o senhor não acha um desrespeito com a Secretaria Municipal de Saúde?".

Caldeira respondeu que soube de uma única visita do estado de São Paulo ao hospital da Prevent Senior e não sabe a razão de por que o governador João Doria (PSDB) não respondeu ao ofício.

"O que nós sabemos é que o estado é composto de uma área técnica robusta e competente. Inclusive com trabalho reconhecido. O motivo pelo qual [o estado] não deu resposta formal realmente não temos como julgar", disse aos parlamentares.

Relatórios das inspeções

O portal UOL acessou os relatórios de duas inspeções em hospitais da Prevent Senior realizadas pela prefeitura da capital paulista, nos dias 18 e 23 de março do ano passado. Depois dessas visitas, a rede de hospitais teria se adequado.

Nos laudos da prefeitura, redigidos por técnicos da Covisa e encaminhados ao governo estadual, foi constatado:

  • Subnotificação de casos suspeitos;

  • Falhas no isolamento de casos confirmados;

  • Não coleta do teste para influenza nos casos de SRAG (síndrome respiratória aguda grave);

  • Não testagem de profissionais de saúde afastados com quadro de síndrome gripal;

  • Falta de kits para testagem;

  • Internação de casos de SRAG na UTI sem a confirmação de agente etiológico.

Além disso, segundo a prefeitura, a falta de internações de casos de SRAG na UTI favoreceu "a transmissão cruzada de agentes de transmissão respiratória aos demais pacientes dispostos na mesma unidade de terapia intensiva".

Por fim, o secretário de saúde de São Paulo pediu a "intervenção temporária" das unidades Paraíso, Pinheiros e Jardim Paulista do Sancta Maggiore até que a instituição cumpra as normas do Código Sanitário vigente".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos