Caso Queiroz: Loja de chocolate de Flávio Bolsonaro também foi alvo de operação do MP

Aguirre Talento
Flávio Bolsonaro apareceu de surpresa no leilão de campos do pré-sal

BRASÍLIA E RIO -  O senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ) também foi alvo de buscas e apreensão da operação realizada pelo Ministério Público nesta quarta-feira. O endereço visitado pelo MP foi a loja da franquia Kopenhagen do qual ele sócio, no Via Parque Shopping.

Também foram cumpridos mandados de busca e apreensão em endereços de ex-assessores de Flávio tanto na capital como em Resende, no Sul do Estado do Rio. As medidas cautelares foram pedidas na investigação sobre lavagem de dinheiro e peculato (desvio de dinheiro público) no âmbito do antigo gabinete do senador quando era deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio. São alvo das medidas cautelares os endereços de Fabrício Queiroz, ex-chefe da segurança de Flávio, seus familiares e ainda parentes de Ana Cristina Siqueira Valle, ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro.

As medidas cautelares desta quarta-feira atingem sobretudo ex-assessores que também tiveram sigilo fiscal e bancário quebrado pelo Tribunal de Justiça do Rio em abril. Ao todo, na ocasião, 96 pessoas e empresas foram alvo da decisão da 27ª Vara Criminal do Rio, cujo titular é o juiz Flávio Itabaiana de Oliveira Nicolau. O MP confirmou, em nota, que "foram cumpridos hoje (18/12) 24 mandados de busca e apreensão" no âmbito da investigação que apura movimentações suspeitas envolvendo Fabrício Queiroz. Por conta do sigilo das investigações, o MP não forneceu mais informações.

(Confira a íntegra da reportagem exclusiva para assinantes)