Caso recurso seja vitorioso, eu o reconduzirei, diz Bolsonaro sobre presidente afastado da Palmares

BRASÍLIA, DF, 13.12.2019: BOLSONARO-DF - O presidente Jair Bolsonaro participa de cerimônia comemorativa ao Dia do Marinheiro, no Grupamento dos Fuzileiros Navais,, em Brasília, nesta sexta. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro tuitou nesta-feira (13) que o afastamento de Sérgio Camargo do cargo de presidente da Fundação Palmares se deu por decisão judicial. "Caso nosso recurso seja vitorioso, eu o reconduzirei à presidência da Fundação", escreveu.

Em edição extra do Diário Oficial da União desta quarta (11), o governo suspendeu a nomeação de Camargo para o cargo.

Na mesma publicação, tornou-se sem efeito a indicação da arquiteta Luciana Rocha Feres para o comando do Iphan, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Nomeado para o posto no dia 27 de novembro pelo secretário especial da Cultura, Roberto Alvim, a indicação do jornalista havia sido suspensa pelo juiz Emanuel José Matias Guerra, da 18ª Vara Federal do Ceará.

Antes de ser indicado para o cargo, Sérgio Camargo, afirmou em suas redes sociais que o Brasil tem "racismo nutella" e que o "racismo real" existe nos Estados Unidos.

Camargo defendeu na terça-feira (10) o fim do Dia da Consciência Negra e disse que o órgão federal responsável por promover a cultura de matriz africana no país não apoiará a data comemorativa. 

"Claro que tem que acabar o Dia da Consciência Negra, que é uma data que a esquerda se apropriou para propagar vitimismo e ressentimento racial. Isso não é data do negro brasileiro, mas das minorias empoderadas pela esquerda que propagam ódio, ressentimento e divisão racial. No que depender de mim, a Fundação Palmares não dará suporte algum a essa data", disse.