Caso Ronaldinho: defesa entra com pedido de prisão domiciliar

A defesa de Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, Assis, entrou com um pedido de prisão domiciliar na manhã desta segunda-feira. Os advogados esperam tirar a dupla da penitenciária Agrupación Especializada da Polícia Nacional, em Assunção, onde estão detidos desde sexta-feira. O recurso deve ser respondido em até 48 horas

Se o pedido for aceito, Ronaldinho e Assis serão transferidos para uma residência em Assunção, onde permaneceriam detidos. Assim, a defesa focaria em tentar o retorno da dupla para o Brasil.

Ronaldinho e o irmão são alvos de investigação por apresentarem documentos falsos ao entrarem no Parauai, na semana passada. No sábado, a defesa do jogador já havia entrado com um recurso, mas a Justiça decidiu mantes a ordem de prisão preventiva.

O empresário brasileiro Wilmondes Sousa Lira acusou  Dalia López, responsável por levar Ronaldinho ao Paraguai, de fornecer os passaportes ao ex-jogador e seu irmão. Dalia teve o pedido de prisão decretado no sábado, mas ainda não se apresentou à polícia paraguaia.

A defesa da empresária afirmou nesta segunda-feira que Ronaldinho e o irmão pediram os passaportes "com a finalidade de fazer negócios no Paraguai".

 

Os brasileiros, que afirmaram ter recebido os passaportes como um presente, foram convidados por Dalia para participar de eventos beneficientes no país.

Ainda nesta manhã, a esposa de Wilmondes entregou à Justiça mensagens trocadas por celular que entragm Dalia. As mensagens mostram fotos dos documentos prontos e textos em que López comemora sua infuência junto às autoridades locais que confeccionam os passaportes e cédulas de identidade.