Casos de Covid-19 disparam no Rio e capital tem 119 mortes anotadas em 24h; Trajano de Moraes registra primeira vítima

Arthur Leal
·3 minuto de leitura
Movimentação de profissionais nesta segunda-feira no hospital de campanha montado no Maracanã para desafogar fila de pacientes com Covid-19
Movimentação de profissionais nesta segunda-feira no hospital de campanha montado no Maracanã para desafogar fila de pacientes com Covid-19

O Estado do Rio se aproxima cada vez mais da negativa marca dos 3 mil mortos pelo novo coronavírus, desde o início da pandemia, na mesma velocidade em que a capital chega perto das 2 mil vítimas. Nas últimas 24 horas, de acordo com o último boletim do governo estadual, divulgado às 15h20m desta segunda-feira no painel oficial, o Rio registrou 137 novas vítimas da Covid-19 — chegando a 2.852 no total —, sendo 119 só na Cidade Maravilhosa — que agora soma 1.960 óbitos. O número de casos confirmados também disparou: em todo território fluminense, já são 26.665 contaminados na série histórica, um salto de 4.427 diagnósticos positivos a mais do que o número informado no boletim do dia anterior. Ao todo, ainda segundo números oficiais, 21.961 pessoas se recuperaram.

Uma nova — e também negativa — constatação do novo relatório divulgado pelo painel do governo estadual, dá conta ainda de que, agora, todos os municípios do Estado do Rio já registram casos de Covid-19. Última cidade a notificar qualquer caso do novo coronavírus, Trajano de Moraes agora já contabiliza 2 contaminados e uma morte pela doença: um homem, de 61 anos, que não resistiu aos sintomas no útlimo dia 13 de maio.

A prefeitura do Rio ainda não divulgou o último boletim com informações sobre a pandemia do novo coronavírus nos bairros da capital.

De acordo com a Secretaria estadual de Saúde, até a tarde desta segunda-feira, 1.159 novos leitos para tratamento de pacientes suspeitos ou confirmados da Covid foram abertos em todo o estado do Rio. Desse total, 1.002 são em hospitais de referência para o tratamento de coronavírus, sendo 437 UTIs e 565 enfermarias. Além dessas unidades destinadas, há ainda 157 leitos, sendo 100 de UTI, para o tratamento da Covid em áreas isoladas de outras unidades estaduais.

Ainda segundo a pasta, atualmente, a taxa de ocupação considerando toda as unidades da rede estadual é de 79% em leitos de enfermaria e 86% em leitos de UTI. Ao todo, 2.334 pacientes estão internados na rede estadual. No total, em toda a rede pública, 335 suspeitos ou confirmados de coronavírus aguardam transferência para UTIs, e 333 para enfermaria, que podem ser regulados para as diferentes redes, seja ela municipal, estadual ou federal.

Com exceção do Hospital Regional Zilda Arns (cujas taxas de ocupação são de 89% na enfermaria e 86% na UTI) e dos hospitais de campanha Lagoa-Barra, Maracanã e Parque dos Atletas, a secretaria esclareceu que todos os outros leitos destinados para a Covid estão ocupados e que há rotativa de vagas ocasionadas por altas, óbitos, além de reservas técnicas de leitos para pacientes já internados que possam agravar o quadro clínico, necessitando de UTIs.

Unidades destinadas Covid-19 no estado:

Rio de Janeiro

Niterói

Volta Redonda

Vassouras

Em todos os hospitais públicos da cidade do Rio – e não apenas nas unidades da rede municipal - há 571 pessoas na fila da regulação, aguardando transferência para leitos dedicados a Covid-19. Do total, 268 pacientes aguardam vaga para leitos de UTI, de acordo com a prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal de Saúde. Os pacientes podem ser regulados para internação em qualquer uma das diferentes redes, seja federal, estadual ou municipal.

A pasta também afirmou que, em toda a rede SUS na capital — que inclui unidades municipais, estaduais e federais —, há 1.735 pacientes internados com suspeita da Covid-19, sendo 529 em UTI. A taxa de ocupação de leitos de UTI para Covid-19 na rede SUS no município, informou ainda, é de 87%. Já a taxa de ocupação nos leitos de enfermaria para pacientes com suspeita de Covid é de 86%, também no município.