Casos de COVID-19 disparam em prisão da Califórnia

San Quentin tem mais de mil casos confirmados do novo coronavírus

Casos de COVID-19 dispararam na prisão mais antiga da Califórnia, San Quentin, com mais de 1.000 presos infectados, informaram as autoridades locais.

"Esta é uma das nossas maiores preocupações no momento", disse o governador Gavin Newsom na segunda-feira, observando que 42% dos mais de 3.500 presos nesta prisão perto de San Francisco são "vulneráveis em termos médicos".

Ao contrário de outras prisões na Califórnia, San Quentin não registrou um surto de coronavírus até o início de junho, alimentado, acreditam as autoridades, por transferências de presos de outras prisões, como Chino, onde o vírus estava presente.

"Infelizmente, eles chegaram sem exame e foram colocados em San Quentin", disse Matt Willis, diretor de saúde do condado de Marin, onde fica a prisão, à rádio pública da NPR.

San Quentin atualmente representa metade dos casos relatados de COVID-19 nas prisões da Califórnia, o estado mais populoso dos Estados Unidos e um dos mais afetados pela pandemia, com mais de 200.000 casos confirmados e quase 6.000 mortes.

Para evitar uma alta taxa de mortalidade entre os presos devido ao vírus, as autoridades decidiram libertar cerca de 3.500 presos condenados por crimes menores e com menos de 180 dias de sentença.

Newsom anunciou na segunda-feira que 3.500 outros candidatos em potencial foram identificados para se beneficiar dessa medida, incluindo 110 em San Quentin.

A população carcerária da Califórnia é de cerca de 113.000 pessoas.