Castillo busca chanceler para superar primeira crise como presidente do Peru

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 minuto de leitura
O presidente peruano, Pedro Castillo, durante um ato em Lima
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O Peru continua sem chanceler um dia após a renúncia antecipada de Héctor Béjar. O presidente Pedro Castillo buscava um substituto nesta quarta-feira(18).

O presidente esquerdista, que assumiu o cargo há três semanas, evitou especificar se planeja nomear o ex-chanceler Manuel Rodríguez Cuadros como sucessor de Béjar.

Rodríguez afirmou nesta quarta-feira que seria recebido pelo presidente horas depois. O jornal La República garantiu, no entanto, que Rodríguez havia recusado a proposta.

Castillo perdeu Béjar apenas 19 dias após assumir o cargo, devido a declarações polêmicas sobre o terrorismo que fez em 2020 e que geraram a primeira crise política em seu governo.

Béjar, um sociólogo de 85 anos que foi guerrilheiro guevarista na década de 1960, desencadeou a crise a partir da divulgação de um vídeo de novembro de 2020 no qual afirmava que a Marinha do Peru foi a primeira a realizar atos terroristas no país com o apoio da Agência Central de Inteligência (CIA) dos Estados Unidos.

Suas palavras são uma referência tácita a dois ataques perpetrados em 1977 no Peru contra navios cubanos e a um ataque contra um chefe naval da ditadura do general nacionalista Juan Velasco (1968-1975).

Béjar acendeu a faísca, no entanto, quando disse que por trás das ações terroristas iniciadas em 1980 pelo grupo maoísta Sendero Luminoso estava a CIA, uma afirmação falsa e facilmente refutável.

ljc/fj/llu/jc

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos