Castro anuncia novo calendário de vacinação no RJ que inclui agentes de segurança, profissionais de saúde e de educação

Arthur Leal
·4 minuto de leitura

Dois dias após ter sido flagrado promovendo uma festa para cerca de 20 pessoas, em comemoração ao seu aniversário, em Petrópolis, o governador em exercício do Rio, Cláudio Castro divulgou, na manhã desta terça-feira, o lançamento de um novo Calendário Único de Vacinação contra Covid-19 para todo o estado. O novo cronograma será publicado ainda nesta terça-feira. Entre as principais novidades está a inclusão de três categorias às prioridades para vacinação: os profissionais da saúde ainda não imunizados, agentes da segurança pública e trabalhadores da educação. Eles se somam aos idosos já a partir da segunda quinzena de abril.

Segundo Castro, o calendário não será obrigatoriamente seguido por todos os municípios, mas servirá como uma espécie de baliza para que todos possam se orientar e caminhar juntos.

— Esse é um dia que nós estávamos esperando para anunciar. Foi um pleito dos prefeitos, principalmente na última reunião que tivemos em Niterói. Eles pediram para que o estado tivesse um calendário unificado. Notaram essa importância, até porque, como cada município tem sua complexidade, seus equipamentos, uns são mais estruturados e outros menos, então percebemos uma grande migração de uns para os outros em busca de vacinas — explicou o governador, que continuou:

— Solicitaram que o governo estadual fizesse este decreto criando um calendário único. Estamos criando hoje, e a intenção dele não é a de criar obrigação, mas de ser um balizadorpara que isso possa ser dialogado com os municípios.

O governador anunciou que os 324 mil profissionais de saúde do estado que ainda não se vacinaram por não terem sido enquadrados nas prioridades, agora serão contemplados. O objetivo, explicou, é que essa mão especializada possa somar, tanto à campanha de vacinação, que deve encarar uma demanda cada vez maior com o avançar das idades, quanto na possibilidade de abertura de novos leitos. O governo estadual garante que até o dia 10 de abril todos esses trabalhadores já estarão imunizados.

— O decreto fala principalmente em três grandes categorias, que são serviços essenciais, importantíssimas. É baseado no que nós temos ouvido do governo federal, dos prefeitos e da sociedade. Então, a primeira delas são os 324 mil profissionais da Saúde que ainda não foram vacinados. Vamos priorizar esses trabalhadores. Muitas vezes eles não estão em hospitais, mas em clínicas e outras atividades ligadas à saúde. São muito importantes, porque, como nós sabemos, teremos um incremento enorme de vacina agora e essa ampliação precisa de mais profissionais aptos, que também possam ajudar para abertura de mais leitos.

Em seguida, o governador falou sobre a inclusão dos agentes de segurança ao calendário. De acordo com Castro, a iniciativa, que também é uma sugestão que partiu do governo federal, visa evitar que estes profissionais sirvam como "vetores" na propagação do vírus. A vacinação desses profissionais começa já no dia 12 de abril, e deve ser realizada em batalhões da Polícia Militar por todo o estado.

— O segundo grupo são os profissionais da Segurança Pública. Tive uma grande reunião agora com todas as forças, sindicato, deputados que também defendem a pauta. Entendemos que essas forças, além de não terem parado em momento algum, também geram uma preocupação enorme por acabarem servindo como um vetor de transmissão. Já conversei com o Coronel Figueredo, e nós vamos abrir os batalhões, vamos vacinar Polícia Militar, Polícia Civil, agentes do Degase, guardas municipais, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Corpo de Bombeiros, Defesa Civil Municipal, Oficiais de Justiça, e os que mais se encaixarem.

Os agentes de segurança que poderão se vacinar a partir do dia 12 de abril são:

Sobre o terceiro grupo a entrar no cronograma, os profissionais da educação, Cláudio Castro afirmou que a ideia é dar tranquilidade para pais, alunos e trabalhadores, para que as escolas possam voltar a funcionar o quanto antes.

— Sempre digo que a escola deveria ser a última a fechar e a primeira a abrir. Mas precisamos das escolas absolutamente seguras: que os pais, profissionais e alunos tenham a tranquilidade de ir para lá. Que os pais possam levar seus filhos, tendo a tranquilidade, ao voltar com eles para casa, de saber que esses educadores ja estarão devidamente imunizados. E aí, seja na capital, seja na Baixada Fluminense, todas as cidades estarão contempladas nesse calendário de vacinação — acrescentou.

Apesar disso, ainda não há um calendário definido para a vacinação dos profissionais da educação. Isso porque, segundo o governo estadual, a elaboração deste cronograma ainda depende de um acordo entre os municípios. Os novos grupos acrescidos ao calendário não influenciam na vacinação dos idosos, que, ainda de acordo com o decreto, segue com a previsão de avançar até o dia 14 de abril com a imunização de pessoas de até 65 anos.

— Essa é uma forma de o estado colaborar com o município. Aqui não há, de forma alguma, a ideia de que a vacina é minha, do prefeito, do presidente, do deputado. A vacina é da população. Então, esse auxílio que o estado vai dar é um subsídio para que a gente possa dar esse foco em forças que são majoritariamente estaduais e federais. Vamos iniciar essa vacinação já a partir dessa segunda quinzena agora — concluiu.