Castro anuncia tarifa social para manter passagem de trem a R$ 5

Previsto no contrato de concessão, o ajuste anual da tarifa do transporte ferroviário foi homologado pela Agetransp: o valor passa de R$ 7 para R$ 7,40, mas, na prática, desde 22 de fevereiro de 2021 um acordo entre o governo do estado e a SuperVia mantém a cobrança em R$ 5. Foi esse o preço da passagem que o governador Cláudio Castro se comprometeu, ontem, a garantir por decreto, através da tarifa social ferroviária, até o fim de 2023. A medida valerá para todos os passageiros habilitados no Bilhete Único Intermunicipal, a exemplo do que já ocorre no transporte aquaviário.

Com o reajuste anual aprovado pelo conselho diretor da Agetransp (Agência Reguladora de Serviços Públicos Concedidos de Transportes Aquaviários, Ferroviários, Metroviários e de Rodovias do Estado do Rio de Janeiro), o governo passa a subsidiar uma diferença de R$ 2,40 por passagem para segurar a tarifa nos atuais R$ 5.

— A maior parte dos usuários de trens não tem condições financeiras de arcar com o reajuste, mesmo que previsto anualmente. O governo do estado honra os contratos, mas também zela pela população e, por isso, vou implementar a tarifa social como proteção social aos que mais precisam do transporte público — confirmou Castro, que, horas antes, já havia anunciado a manutenção da passagem a R$ 5 nos trens através de suas redes sociais.

Segundo o governo, a implementação da tarifa social já estava prevista no Regime de Recuperação Fiscal e na Lei Orçamentária de 2022, como política pública de redução do impacto do aumento tarifário na população. O reajuste passa a valer a partir de fevereiro. Mas esta não é a única mudança no valor dos transportes públicos do Rio anunciada neste começo de ano.