Castro define até sexta-feira o nome do futuro Procurador-Geral de Justiça do estado do Rio

Chico Otavio
·2 minuto de leitura
Foto: Gabriel de Paiva em 09-10-2020 / Agência O Globo

O governador em exercício do Rio, Cláudio Castro, vai definir até sexta-feira, dia 8, o nome do futuro Procurador-Geral de Justiça do estado. A escolha sairá de uma lista tríplice com os candidatos mais votados pela classe: promotor de Justiça Luciano Oliveira Mattos de Souza, que ficou em primeiro lugar com 31% dos votos; a procuradora de Justiça Leila Machado Costa (29% do total); e o promotor Virgilio Panagiotis Stavridis (24%). A tendência, segundo fontes ligadas ao Palácio Guanabara, é que o governador se decida por Luciano, primeiro lugar da lista.

Após receber oficialmente a lista nesta segunda-feira, dia 4, Cláudio Castro vai chamar para audiência nos dois dias seguintes os três candidatos, para conhecer a plataforma de cada um. Ele, que pretende resolver o assunto antes de seguir para a Região Serrana, onde fará um governo itinerante na semana seguinte, chegou a ameaçar que escolheria um nome fora da lista, caso o segundo e o terceiro colocados abdicassem em prol de Luciano.

Quase mil membros do Ministério Público (MP) do Rio de Janeiro escolheram os três candidatos. Mas polêmica que inflama grupos de promotores e procuradores de Justiça em aplicativos, abarca a hipótese de nomeação do quarto colocado na eleição, o procurador de Justiça Marcelo Rocha Monteiro (8% do total), que é publicamente simpático ao presidente Jair Bolsonaro, em reiteradas manifestações nas redes sociais. A desistência do segundo e do terceiro colocados abririam caminho para a sua nomeação.

O próximo procurador-geral de Justiça vai tomar posse no dia 15. Fontes ligadas ao governador admitiram pressões para a escolha de Marcelo Monteiro. Em jogo, está o futuro da denúncia ajuizada pelo MP-RJ contra o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos), o seu ex-assessor Fabrício Queiroz e outros envolvidos no esquema que ficou conhecido como “rachadinha”. O caso está no Tribunal de Justiça do Rio, sob a relatoria do desembargador Milton Fernandes, que deverá convocar o colegiado para decidir sobre a sua admissão.

As pressões, segundo a fonte, partem de pessoas interessadas em construir um futuro cenário mais favorável à defesa dos acusados. Marcelo Monteiro também é conhecido por uma postura mais dura contra réus de ações penais. Ele defende a ideia do “garantismo intregral”, que visa a resguardar os direitos fundamentais não só dos réus, mas também das vítimas e da sociedade. O nome de Marcelo, porém, não constará entre os três que serão enviados nesta segunda-feira para a escolha do governador.

Luciano Oliveira Mattos de Souza, o primeiro colocado, tem como trunfo na disputa o fato de contar com o apoio do influente ex-procurador-geral de Justiça Marfan Vieira Martins. Já Leila Machado Costa, além da condição de mulher, que lhe dá a chance de ser a primeira procuradora-geral de Justiça do Rio, é a única procuradora de Justiça entre os três, com mais tempo e experiência na função. Já Virgilio Panagiotis Stavridis é apadrinhado pelo atual procurador-geral, Eduardo Gussem.