Castro e Freixo empatam na pesquisa Genial/Quaest, mas rejeição ao atual governo sobe 7 pontos percentuais

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A menos de três meses para as eleições de outubro, o cenário atual da disputa ao governo do Rio é de empate técnico no primeiro turno entre o atual governador, Cláudio Castro (PL), e o deputado federal Marcelo Freixo (PSB), de acordo com a nova pesquisa Genial/Quaest divulgada nesta quinta-feira. Nome apoiado pelo presidente Jair Bolsonaro na corrida pelo governo fluminense, Castro tem 24% das intenções de voto, contra 22% de Freixo, que é aliado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A margem de erro da pesquisa é 2,8 pontos para mais ou menos.

Disputa presidencial: Lula cresce quatro pontos percentuais no Rio, veja os números da última pesquisa Genial/Quaest

Senado: Maioria ainda não sabe em quem votar, e Romário lidera, mostra pesquisa

Os percentuais são os registrados no cenário da pesquisa que inclui o ex-governador Anthony Garotinho (União Brasil) entre os pré-candidatos. Garotinho e o ex-prefeito de Niterói Rodrigo Neves (PDT) aparecem na terceira posição empatados com 6%. Cyro Garcia (PSTU), Felipe Santa Cruz (PSD), que vai desistir da disputa, como antecipou o colunista do GLOBO Lauro Jardim, e Eduardo Serra (PCB) somam 2% cada. Já Paulo Ganime (Novo) e Coronel Emir Larangeira (PMB) marcam 1%.

Os votos em branco e nulo chegam a 24%. Outros 10% dos eleitores se dizem indecisos, ainda segundo o levantamento.

Mesmo com o empate persistente com Freixo nas simulações como pré-candidato, o governo de Cláudio Castro registrou alta significativa na reprovação (o percentual de quem avalia o governo como ruim/péssimo passou de 20%, em maio, para 27%, alta de sete pontos), mas também viu, em menor grau, crescer o percentual dos que avalia sua gestão como ótima ou boa (20% para 24%). Já o percentual dos que consideram a gestão regular caiu de 40% para 35%.

Nos cenários da pesquisa sem Garotinho, cuja candidatura ainda depende do apoio de seu partido, os percentuais de voto de Castro e Freixo oscilam dentro da margem de erro. Na disputa com mais nomes, o atual governador soma os mesmos 24%, e Freixo marca 23%. Já Rodrigo Neves tem 7% das intenções de voto, enquanto os percentuais dos demais pré-candidatos não se alteram.

A Genial/Quaest ouviu 1.200 entrevistados com mais de 16 anos presencialmente no Estado do Rio, entre os dias 8 e 11 de julho. O nível de confiança é de 95%. A pesquisa está registrada com o número RJ-05160/2022 na Justiça Eleitoral.

Pontos fortes e fracos

A nova pesquisa indica que a diferença entre os eleitores dos dois pré-candidatos melhor posicionados na corrida do Rio ocorre principalmente em recortes de sexo e idade e no critério geográfico. Se Castro e Freixo estão empatados na margem erro entre as mulheres (22% votam no pré-candidato do PSB e 18% no atual governador), o pré-candidato do PL tem vantagem de nove pontos percentuais entre os homens (31% a 22%). Já Marcelo Freixo lidera entre os mais jovens (25% a 14%), enquanto Castro tem vantagem no eleitorado mais velho (27% a 20%, na faixa acima de 60 anos).

O pré-candidato do PSB também tem vantagem de nove pontos entre os eleitores da capital (31% a 23%), enquanto o rival vence na Baixada Fluminense (24% a 17%) e no interior do estado (24% a 15%). A Baixada e o interior são as regiões em que o desempenho de Garotinho também é melhor. Nelas, o ex-governador chega a 7% e 10%, respectivamente. Na capital, Garotinho tem apenas 2% dos votos. Já Rodrigo Neves vê suas intenções de voto chegarem a 12% na Baixada, contra 4% na capital.

Outro recorte do eleitorado em que há diferenças nas intenções de voto é a religião. Castro tem 28% dos votos de evangélicos, contra 13% de Freixo. Entre os católicos, a distância diminui: o atual governador, que é católico e cantor gospel, soma 26% das intenções de voto, contra 20% do deputado federal. Já entre os que não têm religião, Freixo chega a 32% dos votos, contra 15% de Castro.

Não há diferença relevante nos percentuais de Castro e Freixo nas faixas de renda e escolaridade. Ambos registram alta em suas intenções de voto conforme sobe o grau de instrução e a renda familiar. Os dois somam 18% cada entre os eleitores com renda familiar de até dois salários mínimos e, considerando a margem de erro, têm percentuais próximos entre os mais ricos (Castro soma 30%, e Freixo 24%).

Impacto de apoio de Lula, Bolsonaro e Paes

A Genial/Quaest também mediu o impacto do apoio político de padrinhos nas intenções de voto. Os percentuais de Castro e Freixo sobem para 33% cada um, quando associados a Bolsonaro e a Lula. O apoio de Lula é muito importante para a escolha de 27% dos eleitores do estado, e o do atual presidente é relevante para a de 22%. O apoio do prefeito do Rio, Eduardo Paes (PSD), tem impacto na escolha de apenas 12% dos ouvidos, o que representa pouca força de Paes como cabo eleitoral no estado neste momento.

Como antecipou o colunista do GLOBO Lauro Jardim, o pré-candidato de Paes, Felipe Santa Cruz, vai desistir da disputa pelo cargo de governador para ser vice na chapa de Rodrigo Neves. A Quaest também testou um cenário sem o nome de Santa Cruz, em uma lista de pré-candidatos que inclui apenas quatro nomes. Nela, Neves marca 9% dos votos, contra 26% de Castro, 25% de Freixo e 2% de Paulo Ganime.

Quando avaliada a rejeição dos pré-candidatos, Garotinho tem o maior índice: 70% afirmam que o conhecem e não votariam nele. Em seguida, estão Marcelo Freixo (41% de rejeição), Cláudio Castro (27%) e Rodrigo Neves (22%). Na comparação com Freixo, Castro é menos conhecido. Ao todo, 42% dos eleitores afirmam não conhecê-lo, enquanto o pré-candidato apoiado por Lula é desconhecido para 31% dos entrevistados.

Segundo turno e avaliação de governo

As pesquisas para o segundo turno mostram Cláudio Castro na frente dos rivais em todos os cenários testados. A disputa, porém, fica mais apertada contra Freixo (36% a 31%). Em um eventual segundo turno contra Rodrigo Neves, Castro soma 37%, contra 21% do pré-candidato do PDT. Contra Garotinho, o placar fica 41% a 19%. Já Freixo venceria a disputa tanto contra Neves (31% a 24%) quanto contra Garotinho (38% a 21%).

O levantamento também mostra que 57% dos eleitores do estado disseram que ainda podem mudar o voto, e 41% declararam que sua escolha já é definitiva. Os eleitores decididos são maioria entre os que votam em Cláudio Castro (58% contra 41% que ainda podem mudar) e representam 44% dos que declaram voto em Freixo (55% dos eleitores do pré-candidato do PSB ainda podem mudar o voto). Os eleitores de Rodrigo Neves são os que mais indicam possibilidade de mudar o voto (61%).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos