Catalunha inicia campanha eleitoral sem saber se poderá votar na pandemia

Daniel BOSQUE
·3 minuto de leitura

Com a presença do chefe do governo espanhol, o socialista Pedro Sánchez, a região da Catalunha, palco de uma secessão fracassada em 2017, lança nesta quinta-feira (28) uma campanha eleitoral inusitada sem saber ainda se a votação será em 14 de fevereiro.

A maioria das formações regionais aprovou adiar as eleições para 30 de maio devido à difícil situação de saúde na Espanha, na terceira onda da covid-19, mas o tribunal suspendeu provisoriamente o adiamento.

O tribunal deve decidir sobre o mérito da questão antes de 8 de fevereiro, apenas seis dias antes da votação, cuja campanha é lançada nesta quinta-feira com a região de 7,8 milhões de habitantes sujeita a fortes restrições sanitárias.

A maioria dos eventos será realizada remotamente ou com lotação reduzida. Os cidadãos, que teoricamente não podem sair do seu município, podem fazê-lo para assistir a um comício, embora o governo regional tenha pedido que o evitassem.

Além disso, a campanha contará com a participação esporádica de separatistas condenados à prisão pela fracassada secessão de 2017, aos quais o governo regional voltou a conceder regime semiaberto que havia sido revogado em dezembro pela justiça.

- Sánchez aposta na Catalunha -

Pedro Sánchez viajará a Barcelona para apoiar seu candidato Salvador Illa, que acaba de deixar o cargo de Ministro da Saúde para tentar apreender esta região dos independentistas que a governam desde 2015.

De acordo com as pesquisas, Illa pode vencer na frente dos dois partidos que atualmente governam em uma coalizão de governo regional, Juntos por Cataluña (JxC) e Izquierda Republicana (ERC).

Mas o socialista deve fechar alianças complexas para presidir a região, já que os separatistas, embora mais divididos do que nunca, estariam perto de revalidar a maioria absoluta.

O movimento de independência perdeu força após o apogeu de outubro de 2017, quando o governo regional liderado por Carles Puidemont organizou um referendo ilegal que levou a uma proclamação malsucedida de uma república catalã.

Parte do movimento de independência já abandonou a estratégia de ruptura unilateral e o governo central teve até o apoio parlamentar do ERC para a investidura.

Em troca, Sánchez criou uma mesa de negociação com seu homólogo catalão, agora paralisado, e estuda perdoar os nove líderes presos pela fracassada secessão, incluindo o presidente do ERC, Oriol Junqueras.

Mas o apaziguamento pretendido por Sánchez encontrou regularmente objeções do Juntos por Cataluña, partido de Puigdemont, exilado na Bélgica, que lidera a coalizão regional e suspeita do diálogo com Madrid.

O movimento de independência espera resolver essa luta interna nestas eleições, nas quais ERC aspira superar seus aliados até agora e avançar sua agenda de negociações com Sánchez.

O movimento de independência espera resolver essa luta interna nestas eleições, nas quais ERC aspira superar seus aliados até agora e avançar sua agenda de negociações com Sánchez.

“Se o Juntos pela Catalunha vencer, teremos o mesmo. Mas se o ERC ganhar Puigdemont, isso pode acabar desbloqueando a situação e deixando o confronto permanente para trás”, diz Ana Sofia Cardenal, professora de ciência política da Universidade Aberta da Catalunha.

- Risco de abstenção -

De qualquer forma, “as eleições são muito imprevisíveis” devido à pandemia que “afetará muito a participação e não sabemos como isso afetará os resultados dos diferentes partidos”, acrescentou a cientista política.

Para aumentar a participação, as autoridades regionais reforçaram o sistema de votação pelo correio e definiram horários no dia da votação para as pessoas em maior risco de covid-19 comparecerem.

Além disso, o governo regional permitirá a votação presencial para pessoas infectadas ou em quarentena, reservando a última hora de votação para elas. Nessa faixa, todo o pessoal do centro eleitoral estará munido de macacão de proteção.

dbh/mg/me/jz/ap