Catar não vê razão para normalizar laços com a Síria, afirma chanceler

·1 minuto de leitura

DUBAI (Reuters) - O Catar não tem planos de normalizar os laços com a Síria, disse o ministro das Relações Exteriores do estado do Golfo, depois que o presidente sírio Bashar al-Assad conquistou o quarto mandato na semana passada em uma eleição classificada pela oposição e pelo Ocidente como uma farsa.

O Catar estava entre vários estados regionais, incluindo a Arábia Saudita, que apoiou os rebeldes na guerra civil que durou uma década na Síria. Alguns, como os Emirados Árabes Unidos, buscaram normalizar os laços depois que Assad recuperou o controle da maior parte do país.

"Até agora não vemos nada no horizonte para uma solução política aceitável para o povo sírio ... a abordagem e conduta (do regime) não mudaram", disse o ministro das Relações Exteriores do Catar, Sheikh Mohammed bin Abdulrahman Al-Thani, à televisão britânica Al Araby, em uma entrevista que foi ao ar na sexta-feira.

"Não há motivação para restabelecermos os laços com o regime sírio neste momento", disse o xeque Mohammed. "O regime sírio está cometendo crimes contra seu povo."

O governo da Síria disse que a eleição de quarta-feira mostra que o país está funcionando normalmente, apesar da guerra que matou centenas de milhares de pessoas e deixou 11 milhões de desabrigados.

Os estados do Golfo rebaixaram ou encerraram as missões em Damasco em 2012 por causa dos ataques do governo aos protestos no início do conflito.

(Reportagem de Ghaida Ghantous)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos