Catar trabalha com os talibãs para reabrir o aeroporto de Cabul

·3 minuto de leitura
O ministro das Relações Exteriores do Catar, Mohamed bin Abdelrahman al-Thani (AFP/KARIM JAAFAR)

O governo do Catar está negociando com os talibãs para reabrir o aeroporto de Cabul "o mais rápido possível", afirmou nesta quinta-feira (2) o ministro das Relações Exteriores, Mohamed bin Abdelrahman al-Thani.

Depois de ser o primeiro país a pousar um avião, na quarta-feira, no aeroporto Cabul, menos de 48 horas depois da retirada das forças americanas da capital afegã, o Catar confirmou que trabalha para retomar as operações no local.

"Confiamos em poder fazer com que (o aeroporto) opere o quanto antes, com sorte nos próximos dias receberemos boas notícias", disse o ministro cataria em uma entrevista coletiva em Doha.

Nesta quinta-feira, um novo avião procedente do Catar pousou em Cabul, com profissionais que analisarão as condições de segurança e aspectos ténicos para reabrir o aeroporto, de acordo com uma fonte próxima ao assunto.

Uma fonte da aviação civil afegã declarou ao canal Al Jazeera que o Catar começaria em breve a operar o aeroporto. "Os voos domésticos devem começar amanhã, mas os voos internacionais vão demorar mais tempo".

O Catar desempenhou um papel de mediador no processo de paz entre o governo afegão e os talibãs, antes que o grupo fundamentalista tomasse o poder no Afeganistão em 15 agosto. Doha mantém desde então um vínculo privilegiado com o novo regime islamita instalado em Cabul.

A Turquia "avalia" as propostas dos talibãs e de outros interlocutores. "Os talibãs nos pediram cooperação, assim como outros países, para a reabertura. Estamos analisando todas elas", declarou o ministro turco das Relações Exteriores, Mevlut Cavusoglu.

A reabertura do aeroporto é um tema abordado de forma mais ou menos direta por todos os interlocutores que o Catar recebeu esta semana, como os ministros das Relações Exteriores da Alemanha e Holanda.

"É muito importante que os talibãs mostrem o compromisso para fornecer uma via segura (para a saída do país) e para (garantir) a liberdade de movimento para o povo afegão", disse Mohamed bin Abdelrahman al Thani.

O aeroporto internacional fica a apenas cinco quilômetros do centro de Cabul e tem apenas uma pista de decolagem, o que obriga os aviões a dar voltas sobre a cidade até a liberação do local.

A situação deixa o terminal vulnerável aos ataques com foguetes e outros tipos de atentados, como o executado pelo grupo Estado Islâmico de Khorasan (EI-K) em 26 de agosto, quando um homem-bomba matou mais de 100 pessoas (incluindo 13 soldados americanos).

O braço local do EI tem péssimas relações com o Talibã e a direção do grupo afirmou que vai prosseguir com os combates.

Em seu retorno ao poder 20 anos depois da expulsão por uma coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, o Talibã tem o desafio de governar o país, o que inclui a gestão das infraestruturas básicas.

Por medo de represálias, muitos afegãos tentam fugir do país. Entre 14 de agosto e a retirada total das tropas dos Estados Unidos, no dia 31 do mesmo mês, mais de 123.000 estrangeiros e afegãos foram retirados do país, mas ainda há milhares de pessoas que aguardam, desesperadas, uma oportunidade para escapar.

bur/th/dm/dv/grp/jvb/fp/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos