Catherine Reline, do Quênia, e Andrew Kwemoi, de Uganda, vencem São Silvestre 2022

Atletas do continente africano mais uma vez dominaram a corrida de São Silvestre, cuja 97ª edição aconteceu neste sábado em São Paulo. Andrew Kwemoi, de Uganda, venceu a prova entre os homens, enquanto Catherine Reline, do Quênia, foi a melhor entre as mulheres.

A queniana de 20 anos, que manteve a hegemonia do país na corrida, teve um tempo de 49min43s. As etíopes Yimer Wude e Kabebush Yisma fecharam em segundo e terceiro lugares, respectivamente. A brasileira Jenifer Nascimento, que no ano passado terminara em terceiro, neste cruzou a linha de chegada em quarto lugar, com 54min03s.

No masculino, o ugandês liderou a prova do início ao fim e venceu sem dificuldades, com um tempo de 44min42s. Esta foi a primeira vez que um corredor da Uganda conquistou a corrida da São Silvestre. O Quênia é o país com mais vencedores até hoje (15), seguido pelo Brasil (11).

Joseph Panga, da Tanzânia, fechou a prova na segunda posição. Maxwell Rotich, de Uganda, terminou em terceiro, e o brasileiro Fabio Jesus Ferreira ficou em quarto.

Marilson Gomes dos Santos, em 2010, pela elite masculina, e Lucélia Peres, 2006, pelo feminino, foram os últimos brasileiros a conquistarem a prova que ocorre em todo dia 31 de dezembro.

Ao todo, foram sete categorias na corrida: atletas cadeirantes, atletas cadeirantes com guia, atletas com deficiência, atletas de pelotão premium, atletas de pelotão geral, atletas de elite feminino e atletas de elite masculino. Com exceção das categorias de elite, que contaram com os profissionais das classes A e B, os grupos determinados possuíram pessoas dos gêneros masculino e feminino disputando juntas.