França diz à Turquia que restaurar pena morte seria ruptura de valores

Paris, 17 abr (EFE).- O presidente da França, François Hollande, advertiu nesta segunda-feira o chefe de Estado da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, que a convocação de um referendo para restaurar a pena de morte no país representaria "uma ruptura com os valores e os compromissos" de seu governo com a Europa.

Em um comunicado, a presidência francesa indicou que o resultado do referendo de ontem na Turquia mostra "a profunda divisão" da sociedade desse país em relação às reformas previstas.

A França se limitou a "tomar nota" do resultado anunciado pelas autoridades turcas, que proclamaram a vitória do "sim" com uma margem bastante estreita, ao mesmo tempo em que constatou os protestos da oposição sobre a neutralidade da apuração.

A presidência francesa acrescentou que "acompanhará com a maior atenção as avaliações feitas pelos observadores do Conselho da Europa e da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE)".

Apesar de ter considerado que corresponde ao povo turco decidir sobre a evolução de seu sistema político, Hollande afirmou que "os valores e compromissos" adotados pela Turquia no âmbito do Conselho de Europa "deveriam conduzir as autoridades turcas para um diálogo livre e sincero com todos os componentes da vida política e social" do país. EFE