CBF e clubes aguardam portaria do Ministério da Saúde para volta do futebol em maio

Diogo Dantas

A CBF e os clubes da Série A aguardam, para os próximos dias, uma portaria do Ministério da Saúde que autorize a volta do futebol em maio, sem público. Mesmo com os crescentes casos de coronavírus no Brasil.

A informação revelada por dirigentes a O GLOBO é que o Governo Federal vai publicar a portaria entre sexta e segunda-feira, com respaldo do presidente Jair Bolsonaro.

O retorno dos treinamentos e posteriormente dos jogos dependeria, em seguida, da autorização de cada Estado e Município.

No caso do Rio, há uma mobilização geral dos clubes para que esse retorno aconteça, com exceçao do Botafogo. Flamengo, Vasco e Fluminense têm a intenção de voltar às atividades, mesmo que nem todos no começo de maio.

O mesmo vale para os clubes de menor investimento.

ENTENDA:Como será a nova pré-temporada dos clubes em meio à pandemias

As grandes equipes tentam sensibilizar o governador Wilson Witzel a ir no mesmo caminho do presidente Jair Bolsonaro, que acatou aos apelos dos clubes para a volta dos trabalhos.

O desafio é convencer o prefeito do Rio, Marcelo Crivela, a não ampliar o regima de isolamento além do dia 30 de abril para o futebol especificamente.

CBF era contra

A cúpula da CBF teve uma reunião por videoconferência com as federações estaduais nesta terça-feira na qual os rumos do calendários brasileiro foram tratados. A sugestão da CBF é que, se possível, as filiadas tentem viabilizar o retorno dos campeonatos locais no fim de semana do dia 17 de maio (domingo).

Com isso, os clubes da Série A decidiram que não estenderão o período de férias dos jogadores e das respectivas comissões técnicas, abrindo caminho para o retorno das atividades, apesar da pandemia do coronavírus. A medida foi acertada em videoconferência nesta terça-feira, que contou com a participação da diretoria da CBF.

Ainda no encontro, a CBF traçou cenários para alinhar o calendário, mas disse que vai respeitar todas as manifestações das autoridades de saúde. Inicialmente, a entidade era contra o retorno das atividades em maio, mas acelerou o processo diante da pressão dos clubes e do próprio governo federal.

Bolsonaro deu recado

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda-feira que o governo busca viabilizar um parecer do Ministério da Saúde para liberar, com uma série de regras, o retorno de torneios oficiais de futebol. Em conversa com jornalistas na chegada ao Palácio da Alvorada, Bolsonaro disse que foi contatado por autoridade do futebol favoráveis à retomada.

- Fui procurado por algumas autoridades do futebol, está sendo trabalhado neste sentido (de liberação gradual), conversei com um técnico de futebol neste final de semana, lá no Rio Grande do Sul, que foi favorável primeiramente a não ter (jogos), porque a contaminação acontece no vestiário, e agora é favorável (ao retorno) - disse o presidente, sem revelar o nome do técnico.

- É só você não deixar tanta gente no vestiário - argumentou.

A ideia, segundo o presidente, é liberar a realização de treinos e, num primeiro momento, jogos com portões fechados. Ele argumentou que a destruição de empregos e redução de salários poderão trazer efeito mais danoso que o coronavírus.

- Flamengo e Palmeiras têm folha próxima de R$ 15 milhões, times de segunda divisão, uma parte vai ser extinta, pelo que me consta já estão fazendo acordos para jogador ganhar 60%, 50%, 40% do que ganham, não tem receita, bilheteria, não tem televisão - afirmou.