CCJ da Câmara aprova PEC para manter preço competitivo do etanol

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) aprovou, nesta segunda-feira a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que pretende estimular a competitividade dos biocombustíveis em relação aos concorrentes fósseis, como gasolina e diesel. A iniciativa faz parte do pacote de propostas para reduzir o preço dos combustíveis diante a alta da inflação e do petróleo.

Discurso: Guedes cobra dívida e diz que BNDES deu 'rasteira' no governo em evento de aniversário do banco

Combustíveis: Congresso discute com o governo elevar para R$ 50 bi gasto fora do teto

Petrobras: Lira pede que Bolsonaro aumente impostos e mude Lei das Estatais por medida provisória

Com a aprovação no colegiado, deve ser criado uma comissão especial para analisar a proposta. No entanto, é possível que os deputados tentem uma manobra para enviar o texto direto ao plenário.

A PEC do Biocombustível ou do Etanol, como está sendo chamada, tem como objetivo garantir que os itens tenham uma tributação inferior aos combustíveis fósseis para assegurar a competitividade deles. Essa diferença deve ser estabelecida por uma lei complementar.

De novo: Mesmo após renúncia na Petrobras, Bolsonaro volta a defender CPI

A proposta é vista como a menos polêmica do que a iniciativa que pretende estabelecer um teto à cobrança do ICMS, aprovada na segunda-feira no Senado, e da PEC dos Combustíveis, que prevê uma compensação aos estados que zerarem o ICMS do diesel, gás de cozinha e transporte público — essa redução seria temporária, só até dezembro de 2022, isto é, justamente no período eleitoral.

O diferencial entre os biocombustíveis e os fósseis já é previsto atualmente. A ideia da PEC é mantê-lo caso sejam aprovados as outras propostas para reduzir o preço dos combustíveis.

O texto da proposta prevê que o diferencial seja estabelecido por lei complementar. O relator do projeto na Câmara, deputado Danilo Forte (União Brasil-CE), explicou que, enqunato não houver essa legislação, a diferença “será garantida pela manutenção, em termos percentuais, da diferença entre as alíquotas aplicáveis a cada combustível fóssil e aos biocombustíveis que lhe sejam substitutos, em patamar igual ou superior ao vigente em 15 de maio de 2022”.

Investigação: CVM apura movimentação atípica de ações da Petrobras em meio a polêmica de alta nos preços

“Como alternativa a esse comando, quando o diferencial competitivo não for determinado pelas alíquotas, este será garantido pela manutenção do diferencial da carga tributária efetiva entre os combustíveis”, completou Fortes no relatório.

A PEC do Biocombustível, por ser uma proposta de emenda constitucional, precisa ser aprovada em dois turnos. Na primeira votação no Senado, recebeu 68 votos favoráveis e nenhum contrário. Já na segunda, foram 72 senadores a favor e nenhum contra.

Na Câmara, ela precisa ser aprovada por um terço dos deputados em dois turnos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos