CCR vence leilão do Aeroporto da Pampulha, Minas Gerais, com lance de R$ 34 milhões e ágio de 245%

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO - A CCR Aeroportos, através do consórcio Companhia de Participações em Concessões, arrematou em leilão realizado pelo governo de Minas Gerais, o Aeroporto Carlos Drummond de Andrade, mais conhecido como Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte. O consórcio ofereceu R$ 34 milhões pela outorga fixa, critério que definiu o vencedor.

O valor mínimo de outorga fixado pelo edital era de R$ 9,8 milhões, o que configurou ágio de 245,29%. O leilão aconteceu na B3, em São Paulo.

No último leilão de aeroportos, em abril passado, a CCR Aeroportos foi uma das principais vencedoras, ao arrematar o bloco Sul e Central com oferta de outorga de R$ 2,1 bilhões, um ágio de 1.534% sobre o valor mínimo. A CCR ficou com a concessão de 15 aeroportos na ocasião, entre eles Curitiba, Goiânia e Palmas.

A CCR já administra o terminal de Confins, em Minas Gerais, em parceria com a operadora suíça Flughafen Zürich, o que deve trazer mais sinergia para a operação.

- A CCR se consolidou como operadora de aeroportos ao arrematar os 15 terminais no último leilão. Já operamos em Minas, em Confins, e vamos promover um grande trabalho no aeroporto da Pampulha, gerando empregos, renda e desenvolvimento para o estado - disse Cristiane Gomes, presidente da CCR Aeroportos.

O leilão teve também a participação do Consórcio Asa, que tem a Itaperimim entre as empresas integrantes. O Consórcio Asa ofereceu proposta inicial de R$ 13,4 milhões no primeiro lance, enquanto a CCR ofereceu o lance mínimo, de R$ 9,8 milhões. Mas na disputa lance a lance , no viva voz, depois de oito lances, a CCR terminou como vencedora.

O governador Romeu Zema (Novo) afirmou, após o leilão, que as privatizações são fundamentais para equilibrar as contas do estado, que não tem caixa para investir. Zema afirmou que a iniciativa privada tem mais agilidade para gerir os negócios que o setor público.

- Um estado quebrado como o de Minas Gerais não tem condições de fazer investimentos nesses negócios. Vamos voltar à B3 para conceder outras estatais, como a Cemig e a Copasa - disse Zema.

A concessão da Pampulha tem prazo de 30 anos e os investimentos estimados pelo governo de Minas Gerais no terminal são de R$ 151 milhões. Desse total, pelo menos R$ 65 milhões serão investidos no curto prazo, nos primeiros três anos em obras de construção de um terminal de aviação geral, sistema de pistas de táxi-aéreo, recuperação parcial do pavimento da pista e preparação para novos hangares.

A CCR ficará responsável pela ampliação, manutenção e exploração do terminal aéreo, que tem cerca de 2 milhões de metros quadrados e fica a 8 quilômetros do centro da capital mineira. Ao longo da concessão, também está previsto o pagamento anual de uma outorga variável, que corresponde a um percentual da receita bruta auferida pelo concessionário.

O Aeroporto da Pampulha tem cerca de 30 hangares. Nos últimos cinco anos, a média anual de passageiros no terminal foi de 325 mil passageiros, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O terminal recebe o tráfego de aeronaves da aviação executiva e da aviação geral (empresas particulares, táxi aéreos e hangares).

São aviões menores, já que os jatos que fazem rotas comerciais operam desde 2005 no aeroporto internacional de Confins. O terminal da Pampulha também é considerado um dos principais polos de manutenção de aeronaves e helicópteros do país.

No primeiro semestre de 2022, deve acontecer um dos leilões de terminais aéreos mais esperados pelos investidores. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) vai conceder 16 terminais, incluindo os aeroportos de Congonhas (SP) e Santos Dumont (RJ), considerados as 'joias da coroa'. A CCR já declarou que é uma das empresas interessadas nesse leilão.

Juntos, todos esses terminais movimentam quase 40 milhões de passageiros por ano, o equivalente a 26% dos passageiros transportados no país. O processo de licitação prevê que as empresas vencedoras do leilão invistam R$ 8,8 bilhões durante o tempo de concessão, que será de 30 anos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos