CDC dos EUA recomenda reabertura de escolas com máscaras e outros protocolos de saúde

Gabriella Borter e Jarrett Renshaw
·2 minuto de leitura
Escola em Nova York

Por Gabriella Borter e Jarrett Renshaw

(Reuters) - O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos emitiu na sexta-feira uma nova orientação para reabertura das escolas no país, recomendando o uso universal de máscara e o distanciamento físico como estratégias de mitigação fundamentais para levar as crianças de volta às salas de aula.

As diretrizes, que também enfatizam a necessidade de limpeza das instalações, higiene pessoal e rastreamento de contato, têm como objetivo dar às escolas um roteiro para levar os 55 milhões de alunos das escolas públicas do país de volta às salas de aula sem deflagrar surtos de Covid-19.

"Acreditamos que, com as estratégias que apresentamos, se elas forem seguidas, haverá no máximo uma transmissão limitada nas escolas", disse a diretora do CDC Rochelle Walensky a repórteres, observando que o CDC não determina a reabertura das escolas.

A agência também afirmou que a reabertura de escolas não deve ser condicionada ao acesso dos professores às vacinas contra Covid-19, mas recomendou de maneira enfática que os Estados norte-americanos priorizem professores e funcionários de escolas para a vacinação.

A reabertura de escolas tem sido foco de disputas trabalhistas entre sindicatos de professores e seus distritos nas principais cidades dos EUA. Nesta semana, em Chicago, após meses de negociações que incluíram ameaças de greve, o sindicato dos professores e o distrito chegaram a um acordo sobre um plano de segurança.

O presidente Joe Biden prometeu reabrir a maioria das escolas dentro de 100 dias após assumir o cargo, em 20 de janeiro. No domingo, ele disse que os problemas decorrentes do fechamento contínuo das escolas, incluindo transtornos de saúde mental das crianças e a saída dos pais do trabalho, aumentaram para uma emergência nacional.

(Reportagem de Gabriella Borter em Boca Raton, na Flórida, Jarrett Renshaw na Filadélfia e Trevor Hunnicutt em Washington)