Ceará aperta medidas de isolamento, e Fortaleza instala contêiner para cadáveres

MARCEL RIZZO

FORTALEZA, CE (FOLHAPRESS) - O governo do Ceará passa a exigir máscara de quem circular fora de casa a partir desta quarta-feira (6). A medida está entre os novos pontos do decreto de isolamento social contra o novo coronavírus, prorrogado até 20 de maio. Em Fortaleza, as regras ficam mais rígidas: o acesso às praias, que estava liberado, passa a ser proibido a partir de sexta-feira (8), com veto estendido até o dia 20.

Algumas capitais nordestinas, como Recife e Salvador, já haviam proibido o acesso de banhistas, até mesmo com barreiras instaladas nas praias mais famosas, no caso de Salvador.

Além da proibição de frequentar praias, não será permitido circular em praças, que terão fiscalização. Assim como aconteceu em SP, algumas pistas serão bloqueadas na tentativa de restringir o número de carros nas ruas.

Haverá também controle na entrada e saída de carros de Fortaleza, mas não proibição de acesso como ocorre em São Luís.

O Ceará é o terceiro estado do Brasil em casos confirmados da Covid-19, com 11.470 registros, e em mortes, com 795, atrás apenas de São Paulo e do Rio de Janeiro. Fortaleza registra 8.509 casos e 608 óbitos

Na capital cearense, só será permitida a presença nas ruas de pessoas do grupo de risco, como idosos, para o deslocamento até serviços essenciais, como mercados e farmácias.

No último final de semana, algumas praias de Fortaleza tiveram alta concentração de pessoas. O governo e a prefeitura também identificaram que em áreas mais periféricas de Fortaleza serviços não essenciais não fecharam, como determinava o decreto que se encerra nesta terça (5). Por isso a fiscalização, segundo Roberto Cláudio, será maior nessas regiões com efetivos da polícia militar e da guarda municipal.

Haverá novos protocolos para acesso a estabelecimentos como supermercados e farmácias, com prioridade de acesso a grupos de risco, ingresso de apenas uma pessoas por família e disponibilização de álcool 70%, de preferência em gel, a clientes e funcionários.

"Após uma série de estudos, pesquisas e projeções, decidimos recorrer às medidas mais rígidas para o isolamento social. Nós temos os números que comprovam que o nível de isolamento social reduziu muito, refletindo no aumento no número de casos e óbitos no Ceará, principalmente em Fortaleza. Mesmo com todo o esforço de abrir mais de mil novos leitos, o nosso sistema de saúde está chegando ao limite. O objetivo será sempre o de salvar vidas", afirmou o governador, Camilo Santana (PT).

Segundo a prefeitura de Fortaleza, as agências funerárias têm demorado para fazer a retirada dos corpos. O Sindicato das Funerárias do Ceará informou que houve aumento de 30% nos funerais desde o início da pandemia.

A prefeitura também tem colocado câmaras frigoríficas em UPAs (Unidade de Pronto-Atendimento) e no hospital IJF (Instituto Dr. José Frota) para guardar corpos de pessoas que morrerem por Covid-19.

A primeira UPA a receber uma dessas câmaras foi a do bairro Cristo Redentor --o IJF também já teve a câmara instalada. Outras quatro UPAS devem ter o equipamento nos próximos dias, segundo a prefeitura.

As UPAs têm recebido muitos pacientes. Em algumas delas, foram colocados leitos para internação de pessoas com Covid-19 até que possam ser transferidas para unidades específicas, como o Hospital Leonardo da Vinci, arrendado pelo governo estadual para tratar exclusivamente da doença, ou o hospital de campanha construído pela prefeitura no estádio Presidente Vargas.