Cedae: com concessão, contas não poderão ter aumento real, diz Trata Brasil

Selma Schmidt
·1 minuto de leitura
Foto: Guilherme Pinto 05-12-2012

ara o presidente executivo do Instituto Trata Brasil, Edison Carlos, o consumidor não precisa se preocupar com os aumentos das contas de água e esgoto, a partir da concessão de serviços da Cedae. Ao contrário. Ele explica que, pelo edital, os reajustes só poderão ser os da inflação, que serão fixados pela agência reguladora de saneamento (Agenersa).

— O edital é claro: não pode haver aumento real. Além disso, se você mora numa cidade com saneamento, as pessoas passam a ter mais saúde, os imóveis valem mais e as pessoas passam a ter orgulho de viver ali. Sem falar nos postos de trabalho que surgirão com a concessão — diz Carlos.

Segundo o Trata Brasil, que vem acompanhando os indicadores de saneamento no país o ano inteiro há 13 anos, no Estado do Rio só 65% do esgoto é coletado e 35% é tratado.

Carlos tem conversado com investidores até de outros países — como da China e do Japão— interessados em participar do certame.

— Até a Sabesp (estatal de São Paulo) tem interesse. Apesar das idas e vindas no processo, envolvendo, por exemplo, preço da água, assembleia da Cedae. Há também a questão as áreas sem segurança. Mesmo com percalços, haverá investidores. De qualquer forma, o Rio tem um potencial gigantesco para saneamento. Digo que o saneamento da Baixada é a cereja do bolo do novo marco de saneamento — afirma Edson Carlos. Ele reforça que há muito a ser feito na Baixada em saneamento.

O representante do Trata Brasil considera o edital adequado e lembra que eventuais questionamentos poderão ser feitos por interessados, para que sejam feitos ajustes.