Ceilândia, Cocalzinho e Águas Lindas: os caminhos de fuga por onde Lázaro foi visto no DF e em Goiás

·2 minuto de leitura

Desde o dia 9 de junho, Lázaro Barbosa Sousa vem sendo protagonista de uma caçada que mobiliza 270 policiais, helicópteros, cães farejadores, drones e a cavalaria. Durante as buscas ao seral killer, que completam 20 dias, ele já passou por uma série de locais. A caçada começou em Cêilandia, no Distrito Federal, onde, segundo a polícia, o criminoso matou quatro pessoas de uma mesma família. De lá, ele seguiu para Cocalzinho de Goiás, onde foi visto na região rural de Edilândia e Girassol. Nesta segunda-feira, a polícia recebeu informarções que ele estaria em Águas Lindas de Goiás, onde um cerco foi montado.

Durante esse período em que foge do cerco policial, Lázaro invadiu propriedades, fez reféns, trocou tiros com agentes e feriu pessoas — entre elas um policial. Muitos moradores da região onde acontecem as buscas, com medo, deixaram suas casas. A polícia acredita que o criminoso consiga comida em algumas dessas residências e as use como esconderijo.

Lázaro se aproveita da mata fechada e dos rios e córregos para se movimentar. Ele teria, inclusive, predileção por se movimentar na água para não deixar rastros. Mateiro e caçador, o criminoso conhece bem a região e se esconde na vegetação — já teria usado uma folha de coqueiro para se esconder e escapar de policiais.

Na noite deste domingo, Lázaro conseguiu fugir pela mata em Águas Lindas de Goiás. De acordo com o "G1", quando os policiais chegaram ao local em que ele foi visto, houve uma tentativa de negociação por parte dos agentes. Um morador da região contou ao portal de notícias que um deles disse: "Lázaro, conversa com a gente, vamos negociar". Mas o serial killer escapou.

Ainda segundo o "G1", uma mulher foi vista junto com os policiais que participam das buscas. Ela seria ex-mulher de Lazaro.

O criminoso usou um celular roubado de uma de suas vítimas para criar um perfil fake em redes sociais as notícias sobre sua fuga. Segundo informações do portal de notícias "Metrópoles", a polícia monitorava o telefone que foi levado pelo suspeito no último dia 15, quando ele invadiu uma chácara e fez três pessoas da mesma família reféns. As vítimas foram resgatadas em uma ação que resultou em troca de tiros.

De acordo com a reportagem, após conseguir escapar do cerco policial na fazenda, Lázaro ficou até 18 de junho com o aparelho enquanto se escondia no meio da mata.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos