Celso de Mello diz que 'bolsonaristas fascistoides' ameaçam juízes

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
El juez del Supremo Tribunal Federal Celso De Mello (foto) acogió un pedido del fiscal general Augusto Aras para que se interrogue a ministros de Bolsonaro (AFP/Archivos | Andressa ANHOLETE)
Ministro Celso de Mello repudiou as mensagens de ódio e violência enviadas aos magistrados em Brasília. (Foto: AFP / Andressa Anholete)

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Celso de Mello afirmou que pessoas que têm abarrotado as caixas de mensagens de juízes de tribunais de Brasília com mensagens anônimas e ameaças de morte são "bolsonaristas fascistoides, além de covardes e ignorantes".

O magistrado não recebeu textos ameaçadores. Mas, questionado sobre o teor das mensagens enviadas a outros juízes, afirmou também que seus autores "revelam, com tais ameaças, a sua face criminosa, própria de quem abomina a liberdade e ultraja os signos da democracia".

Leia também

As mensagens enviadas a juízes, reveladas pelo jornal Correio Braziliense, falam em "matar em legítima defesa", pois será "decretado" um estado de sítio no Brasil sob o "comando do general Braga Netto", ministro da Casa Civil do presidente Jair Bolsonaro.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Braga Netto pediu investigação sobre os textos enviados aos magistrados."‹

O ministro Celso de Mello é o relator do inquérito que investiga as declarações do ex-ministro da Justiça Sergio Moro sobre suposta tentativa de Jair Bolsonaro de interferir na Polícia Federal.

Nesta sexta-feira (22), ele deve anunciar se levanta ou não o sigilo do vídeo com a gravação da reunião ministerial em que Jair Bolsonaro teria ameaçado demitir Moro.

O vídeo da reunião, ocorrida no dia 22 de abril, no Palácio do Planalto, é considerado um elemento fundamental para a investigação. A defesa de Moro pede que a íntegra do vídeo seja divulgada e componha o inquérito. Já a AGU (Advocacia-Geral da União) e a PGR (Procuradoria-Geral da República) defendem apenas a liberação de alguns trechos da gravação.

da Folhapress

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.