Celso de Mello pergunta se demais ministros do STF querem adotar medidas contra Weintraub

André de Souza
A reunião ministerial do dia 22 de abril foi registrada em fotos e vídeos pela Presidência da República

BRASÍLIA - Na decisão em que mandou divulgar o vídeo da reunião entre o presidente Jair Bolsonaro e seus ministros em 22 de abril deste ano, o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse ter constatado "a ocorrência de aparente prática criminosa, que teria sido cometida pelo Ministro da Educação, Abraham Weintraub". No encontro, Weintraub fez ataques a ministros do STF.

"Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF", disse Weintraub de acordo com transcrição do documento. Celso mandou oficiar cada um dos demais ministros da Corte para que "possam, querendo, adotar as medidas que julgarem pertinentes".

Segundo o ministro do STF, trata-se de "gravíssima aleivosia". Para ele, a declaração "põe em evidência, além do seu destacado grau de incivilidade e de inaceitável grosseria, que tal afirmação configuraria possível delito contra a honra (como o crime de injúria)".