Celso de Mello recebe alta hospitalar e continuará tratamento de infecção em casa

Carolina Brígido
O ministro Celso de Mello, durante sessão do STF

BRASÍLIA - A assessoria de imprensa do Supremo Tribunal Federal (STF) informou nesta quinta-feira que o mais antigo integrante da Corte, o ministro Celso de Mello, recebeu alta hospitalar e vai concluir o tratamento de saúde em casa. A internação foi comunicada na última terça-feira, devido a um processo infeccioso. O tribunal nega que os sintomas guardem qualquer relação com o coronavírus.

O decano foi internado inicialmente em 21 de janeiro em São Paulo, para ser submetido a uma cirurgia no quadril. Em seguida, teve alta hospitalar e permaneceria em casa, na capital paulista, até o dia 19 de março. Com a infecção, a licença médica do ministro foi renovada até 30 de março. Não foi informada de qual infecção o ministro é tratado.

A ausência de Celso de Mello afetou o funcionamento do tribunal. Já no início dos trabalhos de 2020, em fevereiro, o presidente do Supremo, Dias Toffoli, adiou processos importantes que estavam pautados para aguardar o retorno do colega. A medida foi tomada em deferência ao decano e também para evitar empates no plenário, já que há atualmente apenas dez ministros nos julgamentos.

Na quarta-feira, os ministros decidiram que os julgamentos presenciais ocorrerão apenas a cada 15 dias. Para compensar, haverá mais julgamentos no plenário virtual, para evitar a disseminação do coronavírus. Com isso, vários processos serão remanejados da pauta do semestre.