Censo 2022: como foi o dia de greve dos recenseadores — e o que diz o IBGE

Protesto de recenseadores em Salvador, 1º de setembro de 2022
Capitais como Salvador, Recife, Rio de Janeiro e Brasília registraram protestos, que também aconteceram em cidades menores

Recenseadores do Censo 2022 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) cruzaram os braços e realizaram manifestações em diversas cidades do país nesta quinta-feira (1/9), reivindicando melhorias nas condições de trabalho.

Eles reclamam de problemas como atrasos nos repasses do auxílio-deslocamento, demora no pagamento por setores já concluídos pelos recenseadores e atraso na remuneração referente ao período de treinamento.

Também se queixam de problemas de segurança na realização da coleta — como assaltos, ameaças, assédio sexual e racismo —, e da resistência da população em responder, que atribuem à pouca divulgação da pesquisa pelo IBGE em meio a restrições orçamentárias.

Segundo lideranças, capitais como Salvador, Recife, Rio de Janeiro e Brasília tiveram mobilizações, que também aconteceram em cidades menores, como Iranduba, no Amazonas e Icó, no Ceará, conforme registros feitos pelos próprios recenseadores em redes sociais.

O IBGE afirma que a coleta do Censo seguiu normalmente nesta quinta-feira e que alguns recenseadores pediram para conversar com as superintendências do instituto nos estados, sendo recebidos e ouvidos.

O órgão estatístico diz ainda que "99% dos problemas de atraso no pagamento dos recenseadores já foram sanados desde a semana passada" e que "novos procedimentos na rotina de pagamentos foram adotados, a partir desta semana, para agilizar o processo".

"Os incidentes ocorridos com alguns recenseadores durante seu trabalho de coleta de dados foram pontuais. As unidades estaduais do IBGE deram assistência aos servidores envolvidos e, quando necessário, orientações quanto ao registro da ocorrência junto aos órgãos de segurança pública", completou o instituto.

Segundo o site do IBGE que permite o acompanhamento da operação censitária, de 1º de agosto (data de início da coleta) a 1º de setembro, 63,4 milhões de pessoas haviam sido contadas pelo Censo, o que representa 29% da população, estimada pelo próprio instituto em 215 milhões.

Em 2010, conforme balanço do IBGE à época, 92 milhões de pessoas foram recenseadas no primeiro mês de operação, número então equivalente a 48% da população. A comparação revela as dificuldades enfrentadas pelo Censo neste ano.

Programado para acontecer em 2020, o Censo teve de ser adiado por conta da pandemia de covid-19. Em 2021, sofreu novo adiamento, por falta de orçamento. Após determinação do STF (Supremo Tribunal Federal), o governo federal liberou R$ 2,3 bilhões para a realização da pesquisa, valor 26% menor que os R$ 3,1 bilhões inicialmente previstos.

Protesto de recenseadores em Iranduba no Amazonas, 1º de setembro de 2022
Protesto de recenseadores em Iranduba, no Amazonas

'Só queremos dignidade para a categoria'

Lucas Ferreira, da União dos Recenseadores de Salvador, afirma que na capital baiana a paralisação teve início nesta quinta e deve se estender até o sábado (3/9), com nova deliberação em assembleia planejada para o domingo.

Ainda conforme o representante, os recenseadores realizaram manifestação na manhã desta quinta na estação de metrô da Lapa, no bairro Nazaré, reunindo cerca de 100 pessoas no momento de maior concentração.

"Sabemos que não vamos conseguir parar 100%, até porque categorias mais unidas normalmente não conseguem parar 100%, quanto mais uma categoria temporária", diz Ferreira.

Conforme o representante, as reivindicações dos recenseadores incluem o pagamento imediato da ajuda de custo de locomoção e treinamento atrasados; recebimento antecipado do auxílio-locomoção; pagamento pelo setores fechados em até 5 dias; maior transparência nos valores a serem pagos pelo IBGE; e maior divulgação sobre a realização do Censo, entre outras pautas.

A remuneração da categoria é variável, dependendo do número de entrevistas e horas trabalhadas.

Segundo o porta-voz, recenseadores estiveram reunidos na semana passada com o superintendente do IBGE na Bahia, André Urpia.

"Ele nos recebeu, prometeu que sanaria alguns problemas, a exemplo da questão dos pagamentos de transporte atrasado. Disse que iria diminuir o tempo de recebimento, mas continuamos no campo da promessa. O IBGE diz que vai fazer, fala para a mídia que vai fazer, mas de fato não faz", afirma Ferreira.

Na terça-feira (30/8), em coletiva de primeiro balanço do Censo, o IBGE informou que realizaria algumas medidas para responder ao descontentamentos dos recenseadores.

Entre elas, a liberação de pagamento parcial antes da supervisão dos questionários, etapa que pode levar até dez dias; destinação de mais recursos para o auxílio locomoção; e reclassificação das faixas de pagamento por questionários realizados.

Além disso, haveria uma revisão em curso do simulador de remuneração dos recenseadores, para refletir melhor o valor do pagamento final, conforme informações do coordenador de recursos humanos do IBGE, Bruno Malheiros, e do responsável pelo projeto técnico do Censo 2022, Luciano Duarte, ao jornal Valor Econômico.

A BBC News Brasil pediu a confirmação dessas medidas à assessoria de imprensa do IBGE, mas recebeu em resposta apenas a informação de que "novos procedimentos na rotina de pagamentos foram adotados, a partir desta semana, para agilizar o processo", sem mais detalhes.

"Está tudo na promessa, o IBGE está fazendo política com a gente", critica Ferreira. "Só queremos dignidade para a categoria."

'Reivindicações são justas', diz Assibge

Bruno Mandelli Perez, diretor da executiva nacional da Assibge (sindicato dos trabalhadores do instituto), afirma que a entidade não participa da organização da greve e que a diretoria ficou sabendo da mobilização dos recenseadores pelas redes sociais.

"O que fizemos aqui no Rio de Janeiro e em alguns outros Estados foi ir ao local onde estavam marcados atos dos recenseadores nesta quinta-feira e conversar com eles. Aqui no Rio, tinham cerca de 20 a 25 recenseadores na porta do IBGE", conta Perez.

"Não participamos da organização da greve mas, entendendo que as reivindicações são justas, e querendo que tenha uma solução o mais breve possível para não impactar o Censo Demográfico, conversamos com a direção estadual do IBGE, com os recenseadores e participamos de uma reunião entre eles."

Protesto de recenseadores no Rio de Janeiro, 1º de setembro de 2022
Recenseadores protestaram em frente à sede do IBGE no Rio de Janeiro e tiveram reunião com a direção estadual do instituto

Segundo o diretor da Assibge, na reunião, a diretoria do IBGE no Rio disse que algumas das reivindicações dos recenseadores estavam além da alçada estadual ou dependeriam de mais orçamento, o que seria inviável. Mas algumas questões de ordem prática, como pagamentos atrasados, foram encaminhadas na própria reunião.

Quanto às promessas de mudança feitas pelo IBGE na coletiva de balanço do Censo, Perez afirma que, pelas informações que tem, o valor destinado à taxa de locomoção já foi ampliado, mas o instituto ainda trabalha para colocar em prática a antecipação do pagamento pelos setores fechados pelos recenseadores, o que dependeria ainda de uma mudança do sistema.

Questionado sobre o efeito dos problemas enfrentados pelos recenseadores sobre o andamento da coleta do Censo, Perez avalia que o problema maior é a dificuldade para preencher vagas.

Segundo informações divulgadas pelo IBGE na terça-feira (30/8), 144.634 recenseadores estão em campo atualmente, representando 78,8% do total de vagas disponíveis.

Em nove Estados, o percentual de contratação está abaixo da média nacional. As piores situações acontecem no Mato Grosso (51%) e São Paulo (57%), mas também estão abaixo da média: Espírito Santo, os três estados da região Sul, Mato Grosso do Sul, Goiás e Rondônia.

Segundo o IBGE, a dificuldade de contratar é maior nos Estados onde a taxa de desemprego é mais baixa.

Perez, da Assibge, afirma que de fato a dificuldade de contratação é maior nos Estados de maior renda e mercado de trabalho mais dinâmico. Mas ele afirma que essa questão também revela os problemas da remuneração dos recenseadores, como o valor considerado baixo e a dificuldade de compreensão dos montantes a serem recebidos, devido ao pagamento por produtividade.

"Se tem mais dificuldade [de contratar] em Estados onde o rendimento é maior, é lógico que, se a remuneração fosse maior, teria mais atratividade", avalia o sindicalista.

- Este texto foi publicado originalmente em https://www.bbc.com/portuguese/brasil-62760795

Sabia que a BBC está também no Telegram? Inscreva-se no canal.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!