Censo 2022 traça perfil demográfico de brasileiros pós-pandemia

Logo Agência Brasil
Logo Agência Brasil

Segundo Neto, o Brasil é signatário de convenções internacionais de estatística que padronizam e garantem a segurança de processos de coleta de dados em massa. O presidente do IBGE explicou que o anonimato das pessoas entrevistadas é um dos pilares das normas do instituto, assegurado, inclusive, por jurisprudências.

“Um dos nossos princípios é o sigilo estatístico. O IBGE não entrega dado de ninguém. A gente tem uma espécia de sala segura exatamente para ter certeza de que ninguém vai pegar um dado individualizado, nem mesmo o próprio governo”, explicou.

Presidente do IBGE Eduardo Luiz Gonçalves Rios Neto é o entrevistado no programa, A Voz do Brasil.
Presidente do IBGE Eduardo Luiz Gonçalves Rios Neto é o entrevistado no programa, A Voz do Brasil.

Presidente do IBGE Eduardo Luiz Gonçalves Rios Neto é o entrevistado no programa, A Voz do Brasil. - Marcello Casal JrAgência Brasil

Notícias relacionadas:

“Em cada 10 entrevistas, 9 serão do questionário básico. É bem rapidinho. E um desses 10, cerca de 10 a 11% do total, são os questionários mais longos, aonde a gente pergunta em mais detalhes as condições de trabalho, condições de renda”, esclareceu Neto.

“Com esse questionário longo, somos capazes de traçar um perfil muito detalhado de todos os municípios brasileiros, de todos os 5.570 municípios”, complementou.

O presidente do instituto fez, ainda, um apelo. “Estou aqui pedindo que todos abram as portas para o IBGE”, já que a coleta de informações, conforme argumentou, é vital para traçar políticas públicas e conhecer a real situação das famílias brasileiras.

Eduardo Rios Neto lembrou, ainda, que os agentes recenseadores portam um crachá de identificação que pode ser conferido por meio de QR code, além de usarem os coletes azuis característicos.

Assista à entrevista em A Voz do Brasil: