Centenas de imigrantes seguem retidos na fronteira entre Polônia e Belarus, há temores de confrontos

·2 min de leitura
Imigrantes na fronteira de Belarus com a Polônia

Por Kacper Pempel e Joanna Plucinska e Sabine Siebold e Andrius Sytas

SOKOLKA, Polônia (Reuters) - Centenas de imigrantes acamparam perto da fronteira de Belarus com a Polônia sob temperaturas congelantes de madrugada, e autoridades polonesas se preparavam nesta terça-feira para novos choques com pessoas que tentam cruzar a fronteira.

Milhares se reuniram perto da fronteira polonesa na segunda-feira, alguns usando troncos, pás e outros utensílios para tentar romper uma cerca, o que agrava uma crise de meses que provoca apelos de sanções ocidentais mais duras contra Belarus.

A Polônia e outros países-membros da União Europeia acusam Belarus de incentivar imigrantes do Oriente Médio, do Afeganistão e da África a cruzarem para o bloco por vingança contra as sanções impostas ao governo de Minsk devido a abusos de direitos humanos.

"O regime bielorrusso está atacando a fronteira polonesa, a UE, de maneira sem paralelo", disse o presidente polonês, Andrzej Duda, em uma coletiva de imprensa em Varsóvia.

"Atualmente, temos um campo de imigrantes que estão bloqueados do lado bielorrusso. Há cerca de mil pessoas lá, a maioria homens jovens. Estas são ações agressivas que precisamos repelir, cumprindo nossas obrigações como membros da União Europeia."

O governo do presidente de Belarus, Alexander Lukashenko, nega estar fabricante a crise imigratória e culpa a Europa e os Estados Unidos pelo sofrimento das pessoas retidas na fronteira.

O primeiro-ministro da Polônia, Mateusz Morawiecki, visitou a área na manhã desta terça-feira para demonstrar apoio aos milhares de soldados, guardas de fronteira e policiais adicionais enviados ao local.

Imagens publicadas pela polícia polonesa nesta terça-feira mostraram barracas e fogueiras de imigrantes do lado bielorrusso da cerca de arame farpado. A Guarda de Fronteira da Polônia disse que registrou 309 tentativas de travessia ilegal da divisa na segunda-feira e que 17 pessoas foram detidas, a maioria iraquianas.

(Por Joanna Plucinska e Pawel Florkiewicz em Varsóvia e Matthias Williams em Kiev)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos