Centenas de palestinos iniciam greve de fome em prisões israelenses

Por Nidal al-Mughrabi e Ali Sawafta

Por Nidal al-Mughrabi e Ali Sawafta

GAZA/RAMALLAH, Cisjordânia (Reuters) - Centenas de palestinos em prisões israelenses iniciaram uma greve de fome nesta segunda-feira em resposta a um pedido do proeminente prisioneiro Marwan Barghouti, amplamente visto como um possível futuro presidente palestino.

Palestinos denominaram a greve em aberto de protesto contra condições precárias e uma política israelense de detenção sem julgamento, que tem sido aplicada contra milhares desde a década de 1980.

Israel informou que o ato dos prisioneiros, muitos deles condenados por ataques ou planejamento de ataques contra Israel, é motivado politicamente.

O protesto foi liderado por Barghouti, de 58 anos, um líder do conhecido movimento Fatah da Organização para a Libertação da Palestina e que cumpre cinco prisões perpétuas após ser condenado por assassinato pela morte de israelenses em levante de 2000 a 2005.

A greve, se mantida, pode apresentar um desafio para Israel e aumentar tensões entre os dois lados, à medida que se aproxima o aniversário de 50 anos em junho da ocupação israelense da Cisjordânia, Jerusalém Oriental e da Faixa de Gaza.

Tropas israelenses e assentados se retiraram da Faixa de Gaza, agora comandada por islâmicos do Hamas, em 2005, mas conversas de paz sobre a criação de um Estado palestino fracassaram com o presidente palestino, Mahmoud Abbas, em 2014.

Em artigo de opinião publicado pelo New York Times nesta segunda-feira, Barghouti disse que uma greve seria a única maneira de conseguir concessões, após outras opções fracassarem.

“Através de nossa greve de fome, buscamos o fim destes abusos... Prisioneiros e detidos palestinos têm sofrido de tortura, tratamentos inumanos e degradantes e negligência médica. Alguns foram mortos enquanto detidos”, escreveu.