Centenas pessoas fazem o teste de HIV durante Parada Gay no Chile

Por Miguel SANCHEZ
Teste rápido de detecção do vírus HIV, oferecido aos participantes da Parada Gay de Santiago, em 23 de junho de 2018

Cerca de mil pessoas enfrentaram o frio do inverno e uma longa fila para fazer um teste rápido de HIV no Chile, iniciativa que busca incentivar a prevenção desta doença durante uma nova edição da passeata do Orgulho Gay.

A iniciativa, promovida pela Aids Healthcare Fundation, foi realizada em barracas instaladas numa praça no coração de Santiago.

"Isso quebra um pouco os tabus porque o Chile é uma sociedade muito conservadora, então muita gente tem vergonha de fazer esse teste, ainda mais em público", declarou à AFP María Fernanda Carvajal, de 23 anos.

O sucesso da iniciativa satisfez as autoridades chilenas de saúde em meio à preocupação pelo alarmante aumento de 96% de novos infectados pelo HIV entre 2010 e 2017 no país.

Esse teste rápido faz parte de um novo plano de prevenção lançado pelo governo, cujo objetivo é evitar a propagação e um diagnóstico tardio em um país em que 71% dos jovens se declaram sexualmente ativos, mas apenas 30% realizaram um teste para detectar a aids.

Segundo as autoridades sanitárias, 500 pessoas morrerm por ano no Chile por causa da aids.