Centrão teme custo eleitoral da postura antivacina de Bolsonaro em 2022

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O discurso antivacina de Jair Bolsonaro tem causado incômodo em caciques do Centrão, especialmente no PL, partido ao qual o presidente se filiou. A avaliação de alguns líderes é que as falas de tom negacionista do presidente têm afetado a sua popularidade e podem respingar em outros candidatos da sigla ou quem se disponha a enfrentar a disputa eleitoral do ano que vem a seu lado.

Mesmo ontem, quando o Ministério da Saúde publicou uma nota que indicava a “recomendação” para a imunização contra a Covid-19 de crianças, Bolsonaro fez questão de afirmar que não vacinará sua filha Laura, de 11 anos. O presidente segue afirmando que ele próprio ainda não se vacinou.

No início de dezembro, o manda-chuva do PL, Valdemar Costa Neto, disse a um líder do PP que precisava “conversar com calma” com Bolsonaro, porque ele “precisa tomar vacina” contra a Covid-19. Apesar desse desconforto da cúpula da base aliada do governo, pessoas próximas do presidente reconhecem que ele provavelmente manterá o tom negacionista que agrada à parte mais radical do seu eleitorado.

Assim, nos últimos dias, Bolsonaro elevou os decibéis das críticas à vacinação contra a Covid-19 de crianças de 5 a 11 anos de idade. Segundo o presidente, “não está havendo morte de crianças que justifique algo emergencial”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos