Central sindical francesa ameaça cortar eletricidade de parlamentares e bilionários em meio à greve nacional

Manifestantes participam de protesto em Paris

PARIS (Reuters) - A central sindical francesa CGT ameaçou cortar o fornecimento de eletricidade a parlamentares e bilionários antes de uma greve nacional na quinta-feira, em um confronto cada vez mais tenso sobre o plano do governo de aumentar a idade de aposentadoria.

O projeto de lei proposto, anunciado na semana passada, faria com que a idade de aposentadoria aumentasse de 62 para 64 anos, um movimento que as pesquisas de opinião mostram que é contestado por uma grande maioria dos trabalhadores que já enfrentam uma crise de custo de vida.

Trabalhadores de setores como transporte, educação e energia em toda a França participarão da greve de quinta-feira, com grandes passeatas de protesto esperadas em Paris e outras cidades.

A ação é vista como um teste para saber se os sindicatos, que nos últimos anos lutaram para convencer as pessoas a realizar greves, podem transformar o descontentamento em protesto social em massa.

"Eu sugiro que eles também vejam as belas propriedades, os belos castelos dos bilionários", disse Philippe Martinez, líder da CGT, o segundo maior sindicato da França, à TV France 2 nesta quarta-feira.

"Seria bom se cortássemos a eletricidade deles para que eles pudessem se colocar, por alguns dias, no lugar dos... franceses que não podem pagar suas contas."

O porta-voz do governo, Olivier Véran, disse que as ameaças de corte de eletricidade são "inaceitáveis".

O transporte público será o mais afetado na quinta-feira, com a maioria dos trens e alguns voos cancelados, e o metrô de Paris fortemente interrompido.

Enquanto isso, o ministro do Interior, Gerald Darmanin, disse que haverá mais de 10.000 policiais mobilizados durante as marchas de protesto, um terço deles em Paris.

(Reportagem de Jean-Stephane Brosse, Dominique Vidalon e Ingrid Melander)