CEO da Amazon diz que trabalhadores são 'melhores' sem sindicato

Em entrevista à CNBC, o CEO da Amazon, Andy Jassy, afirmou que os trabalhadores são 'melhores' sem sindicato. Foto: DENIS CHARLET/AFP/Getty Images.
Em entrevista à CNBC, o CEO da Amazon, Andy Jassy, afirmou que os trabalhadores são 'melhores' sem sindicato. Foto: DENIS CHARLET/AFP/Getty Images.
  • O CEO da Amazon, Andy Jassy, disse em entrevista na última quinta-feira (14) que a representação sindical não beneficiaria os funcionários da companhia;

  • No começo de abril, um armazém da Amazon em Staten Island, Nova York, votou pela sindicalização;

  • O diretor executivo da Amazon alegou que a companhia “empodera” os funcionários, e que um sindicado poderia impactar negativamente o relacionamento entre trabalhador e gerente.

O diretor executivo da gigante do varejo eletrônico Amazon, Andy Jassy, afirmou na última quinta-feira (14) que a representação sindical não beneficiaria os trabalhadores da empresa.

O comentário foi feito semanas após trabalhadores de um armazém da empresa em Nova York aprovarem o estabelecimento do primeiro sindicato da companhia nos Estados Unidos.

"É a escolha dos funcionários se querem ou não aderir a um sindicato", afirmou o CEO da Amazon em entrevista ao canal CNBC. "Achamos que eles são melhores sem se unir por algumas razões, pelo menos”, continuou Jassy.

Leia também:

Entre outras coisas, ele alegou que a Amazon “empodera” os funcionários, e que um sindicado poderia impactar negativamente o relacionamento entre trabalhador e gerente.

“[Na Amazon] se eles veem algo que podem fazer melhor para os clientes ou para si mesmos, eles podem se encontrar em uma sala, decidir como mudar e mudar”, disse o diretor executivo.

"Esse tipo de empoderamento não acontece quando você tem sindicatos. É muito mais burocrático, é muito mais lento”, alegou Jassy.

Os trabalhadores que votaram pela sindicalização do armazém em Staten Island afirmam lutar pelo direito de negociar coletivamente condições melhores de trabalho, como questões de segurança, treinamento, pausas, pagamentos e benefícios.

Em contrapartida, a Amazon contesta a votação e se empenha em uma campanha anti-sindical.

*As informações são da Business Insider.