CEO do Airbnb trabalhará remotamente e ficará em novo aluguel a cada 2 semanas

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
CEO e cofundador do Airbnb, Brian Chesky, trabalhará remotamente de um aluguel diferente a cada duas semanas (REUTERS/Mike Hutchings)
CEO e cofundador do Airbnb, Brian Chesky, trabalhará remotamente de um aluguel diferente a cada duas semanas (REUTERS/Mike Hutchings)
  • Houve aumento acentuado no número de aluguéis de longo prazo desde o início da pandemia

  • Espera-se que o número de americanos que trabalharão remotamente quase dobre

  • Airbnb registrou receita de US$ 2,2 bilhões no terceiro trimestre de 2021

O CEO e cofundador do Airbnb diz que trabalhará remotamente e mudará de cidade a cada duas semanas - ficando, apropriadamente, em um aluguel diferente do próprio Airbnb. “A partir de hoje, estou morando no Airbnb”, escreveu Brian Chesky em sua conta oficial do Twitter na última terça-feira (18). “Vou ficar em uma cidade ou cidade diferente a cada duas semanas.” Chesky, cujo patrimônio líquido é estimado pela Forbes em cerca de US$ 12,5 bilhões, planeja migrar de um Airbnb para outro.

Leia também:

Objetivo é melhorar experiência

O morador de São Francisco escreveu sobre seus planos de fugir para Atlanta esta semana antes e de seguir para outros destinos. Chesky, de 40 anos, disse que está fazendo isso porque “será divertido, mas mais importante, nos ajudará a melhorar a experiência para pessoas que agora podem morar em qualquer lugar”. Ele citou os próprios dados de sua empresa mostrando um aumento acentuado no número de aluguéis de longo prazo desde o início da pandemia. “De julho a setembro, 1 em cada 5 noites reservadas no Airbnb foram para estadias de um mês ou mais [...] no ano passado, 100 mil hóspedes do Airbnb reservaram estadias de 3 meses ou mais", postou.

Pandemia mudou perfil de viagens

“Acho que a pandemia criou a maior mudança nas viagens desde o advento dos voos comerciais", acrescentou Chesky , que ainda previu que este ano verá as pessoas “se espalhando por milhares de vilas e cidades, permanecendo por semanas, meses ou até temporadas inteiras de cada vez”. Para o CEO do Airbnb, muitas pessoas começarão a "viver no exterior, outras viajarão durante todo o verão e algumas até desistirão de seus arrendamentos e se tornarão nômades digitais”. O que vai provocar uma espécie de competição entre cidades e países para atrair trabalhadores remotos.

Emprego nos EUA

Espera-se que o número de americanos que trabalharão remotamente quase dobre dos níveis pré-pandemia - passando de 16,8 milhões para 36,2 milhões até o ano de 2025 -, de acordo com o Future Workforce Pulse Report. O movimento constante provavelmente será acelerado pela “Grande Demissão”, que viu mais de 20 milhões de americanos deixarem seus empregos no segundo semestre de 2021, segundo dados do governo. O Airbnb aproveitou a tendência e, em novembro passado, registrou lucros recordes, pois o número de reservas superou seus números pré-pandemia.

Patrimônio líquido de Chesky, CEO do Airbnb, está avaliado em US$ 6,5 bilhões (Getty Images)
Patrimônio líquido de Chesky, CEO do Airbnb, está avaliado em US$ 6,5 bilhões (Getty Images)

Receita recorde do Airbnb

A empresa registrou receita de US$ 2,2 bilhões no terceiro trimestre de 2021 - um aumento de 36% em relação ao mesmo período de 2019. Em maio passado, Chesky disse aos acionistas que os funcionários não precisariam retornar ao escritório, a princípio, até setembro de 2022. Já em novembro, ele disse que o Airbnb instituirá uma política permanente de “flexibilidade” permitindo que os funcionários trabalhem remotamente.

Patrimônio elevado

Chesky co-fundou a empresa em 2008 com seu ex-colega de quarto, Joe Gebbia, e Nathan Blecharczyk, cada um com participações menores. Em dezembro de 2020, a plataforma de aluguel de curto prazo tornou-se pública, elevando o patrimônio líquido de Chesky em US$ 6,5 bilhões.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos