Ceperj: MPRJ requisitou imagens de quatro agências bancárias para confirmar quem sacou na 'boca do caixa'

O Ministério Público do Rio (MPRJ) requisitou ao Bradesco imagens de câmeras de quatro agências onde prestadores de serviço do Ceperj sacavam o dinheiro diretamente na "boca do caixa", mediante ordens de pagamento. A promotora Glaucia Santana, da 6ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa da Cidadania, requisitou imagens de câmeras internas e externas, no horário bancário, referentes aos meses de março, abril, maio junho e julho deste ano. As agências estão localizadas na capital, como a da Avenida Rio Branco, no Centro, e Haddock Lobo, na Tijuca; em São Gonçalo, no Centro da cidade; e em Barra Mansa.

Casa do Trabalhador: Projeto ligado ao Ceperj teve empenhos de R$ 80 milhões este ano

Explosão de gastos: Valores empenhados pelo Ceperj, investigado pelo MP, cresceram 2.300% desde 2020

As imagens confirmarão se os prestadores da lista da ordem de pagamento foram as pessoas que sacaram o dinheiro nas agências, para o caso de eles negarem ser os beneficiários. Os nomes que estão sendo analisados são de colaboradores do Ceperj no Projeto Esporte Presente do governo do estado. O MP pediu um prazo de 20 dias para que o Bradesco entregue as imagens.

Irregularidades: Arquiteto de convênio da Ceperj com da fundação com Emop diz que trabalha sem contrato e recebe por ordem de pagamento

O MPRJ investiga uma "lista secreta" de beneficiários do Ceperj, na qual prestadores de serviço recebiam suas remunerações por meio de saques bancários na “boca do caixa”. Uma planilha obtida pelos promotores indica que, só este ano, a fundação emitiu 91.788 ordens de pagamento, para 27.665 pessoas. Em um só dia, numa única agência de Campos dos Goytacazes, as retiradas ultrapassaram meio milhão de reais em espécie, precisamente R$ 538.450,47 em 13 de junho deste ano.

Somam mais de R$ 500 mil: Veja onde ocorreram os maiores saques dos quase R$ 226 milhões da folha secreta do Ceperj

A Justiça determinou na quarta-feira que a Fundação Ceperj e o Estado do Rio interrompam imediatamente contratações temporárias e pagamentos sem a prévia divulgação dos dados em portal eletrônico. A decisão da 15ª Vara de Fazenda Pública da capital atendeu a um pedido de tutela de urgência do MPRJ, após investigações — motivadas por uma série de matérias publicadas inicialmente no site UOL — apresentarem detalhes de uma folha de pagamentos secreta, não divulgada nos meios oficiais do governo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos