Cerca de 1200 golpistas são detidos em acampamento bolsonarista em Brasília

Cerca de 1200 pessoas foram detidas no acampamento de extremistas bolsonaristas em frente ao QG do Exército, em Brasília. De acordo com o Ministério da Justiça, o número ainda poderá ser atualizado. Segundo a pasta, os radicais foram encaminhados para a Polícia Federal para averiguação. A Polícia Civil informou, no entanto, que cerca de 40 ônibus estariam a caminho do Complexo da corporação.

Ao Vivo: Acompanhe os desdobramentos do dia seguinte às invasões em Brasília

Quem é quem nos atos criminosos: Como os terroristas que invadiram Planalto, STF e Congresso serão identificados pela PF

Na noite de ontem, pelo menos 300 pessoas já tinham sido detidas após os atos terroristas que depredaram o Palácio do Planalto, o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF). Desde o final das eleições, bolsonaristas radicais montaram acampamento diante do QG do Exército por discordar do resultado das eleições.

Os atos extremistas escalaram ao longo do mês de dezembro e culminaram nos atos terroristas deste domingo. No dia da diplomação do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva, golpistas atacaram a sede da Polícia Federal e atearam fogo a carros, transformando a capital em uma praça de guerra.

Quem são os envolvidos: Felipe Neto, André Janones e perfil com mais de 600 mil seguidores no Instagram ajudam a identificar terroristas

Na véspera do Natal, os extremistas tentaram detonar uma bomba nas proximidades do Aeroporto Nacional de Brasília, mas a tentativa acabou falhando. Em ambos os casos, os autores tinham relação com o acampamento bolsonarista no QG do Exército.

Na madrugada desta segunda-feira, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes afastou o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), por ter sido omisso em promover a segurança do DF.

Apoiadora de ex-presidente: Servidora da EBC e amiga de Jair Renan, Karol Eller participou de ato terrorista em Brasília