Cerca de 150 estudantes estão desaparecidos após invasão de atiradores em escola na Nigéria

·2 minuto de leitura

Por Ardo Hazzad e Garba Muhammad

BAUCHI/KADUNA, Nigéria (Reuters) - Aproximadamente 150 estudantes estão desaparecidos após homens armados invadirem um colégio interno no Estado nigeriano de Kaduna, afirmaram um pai de aluna e um administrador da escola na segunda-feira, e a polícia disse estar em perseguição com o auxílio de equipes militares.

O ataque ao Colégio Batista Bethel é o décimo de uma série de sequestros em massa de escolas desde dezembro na região noroeste da Nigéria. Os crimes são atribuídos a bandidos armados que buscam pagamentos de resgate.

Dezenas de pais estavam reunidos nas instalações da escola consternados, alguns deles chorando, esperando mais notícias em grupo. Sandálias descartadas estavam espalhadas em um local próximo. Os dormitórios, com armários e beliches de metal, estavam desertos.

"Que Deus retire as lágrimas e o sofrimento que eles irão enfrentar nas mãos dos sequestradores", disse uma mulher apontando um buraco na cerca do perímetro da escola, por onde os sequestradores entraram.

Com a voz trêmula, John Evans, pai de aluna, contou que disse recentemente à filha que Deus a protegeria enquanto ela estivesse na escola.

"Hoje de manhã, próximo das 6 horas, eu recebi um telefonema dizendo que eles haviam entrado na escola, sequestradores, e que nossos filhos foram levados, incluindo minha filha", disse. "Corremos até aqui e confirmamos que eles foram levados".

A polícia diz que atiradores atacaram durante a noite e renderam os guardas da escola, levando um número não especificado de estudantes para uma floresta próxima. Uma nota da polícia informou que 26 pessoas, entre elas uma professora, foram resgatados.

O reverendo John Hayab, um dos fundadores do colégio, disse à Reuters que cerca de 25 estudantes conseguiram escapar enquanto outros alunos da escola continuam desaparecidos. Aproximadamente 180 alunos frequentavam a escola e estavam fazendo exames, segundo Hayab, cujo filho de 17 anos fugiu.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos