Cerca de 210 mil profissionais da educação podem tomar 3ª dose de vacina cidade de SP

·2 min de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 16.06.2021 - Vacinação contra a Covid-19 na UBS Max Perlman, na zona sul de SP. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 16.06.2021 - Vacinação contra a Covid-19 na UBS Max Perlman, na zona sul de SP. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Cerca de 210 mil profissionais da educação, com idade a partir de 40 anos, podem tomar a terceira dose da vacina contra a Covid-19 na cidade de São Paulo, a partir desta terça-feira (16). Segundo a Secretaria Municipal da Saúde, é preciso ter recebido a segunda dose da vacina há ao menos seis meses.

O reforço será para quem trabalha tanto na rede pública quanto na particular. Os demais profissionais, com idade a partir de 18 anos, poderão receber a dose extra a partir da próxima segunda-feira (22).

Os profissionais da educação deverão apresentar, em qualquer posto de vacinação, um documento que comprove o vínculo empregatício na rede de ensino. Além disso, também são necessários documento de Identificação, comprovante de endereço, e comprovante de vacinação físico ou digital.

Assim como no caso de idosos a partir de 60 anos e profissionais da saúde, a capital paulista usará vacinas da Pfizer para o reforço dos que trabalham na educação.

Também estão sendo imunizados com terceira dose guardas-civis metropolitanos, sepultadores e fiscais da prefeitura, mas estes, por enquanto, só podem receber vacinas da Coronavac.

Segundo boletim publicado pela pasta no último sábado (13), pouco mais de 1 milhão de pessoas receberam a terceira dose no município.

Ao todo, 20, 8 milhões de doses de vacinas haviam sido aplicadas na cidade até o sábado. E conforme a gestão Ricardo Nunes (MDB), 97,8% da população adulta foi está imunizada com ao menos duas doses da vacina.

A vacinação, entretanto, está mais devagar entre adolescentes. Segundo o mesmo boletim, até às 13h de sábado apenas 25% dos jovens de 12 a 17 anos haviam recebido a segunda dose, ou seja, pouco mais de 212 mil pessoas --a primeira foi aplicada em quase 845 mil menores nesta faixa etária. Assim, aproximadamente 633 mil jovens ainda não voltaram para os postos da capital.

Desde quinta-feira passada (11), o intervalo entre as doses da vacina para adolescentes foi reduzido de oito semanas para 21 dias.

A prefeitura espera que 100% dos jovens entre 12 e 17 anos estejam completamente vacinados até o próximo dia 5 de dezembro, quando a gestão municipal pretende afrouxar as regras para o uso de máscara. A ideia é não obrigar mais o uso do equipamento de proteção em locais públicos, assim como ocorre no Distrito Federal e no Rio de Janeiro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos