Cerca de 3 mil professores da rede municipal do Rio com mais de 60 anos não irão voltar para o ensino presencial

Felipe Grinberg
·3 minuto de leitura
Foto: Márcia Foletto / Agência O Globo

RIO — Com a previsão do retorno das aulas presenciais da rede municipal de ensino do Rio para o dia 24 de fevereiro de forma gradual e opcional, a secretaria não contará com 3.145 professores que possuem 60 anos ou mais, pelo menos enquanto a categoria não estiver vacinada contra a Covid-19. O número representa cerca de 8% dos mais de 39 mil professores da rede. A quantidade de profissionais afastados, entretanto, deve aumentar. Isso porque nas próximas semanas a secretaria deve receber pedidos de afastamento de profissionais que possuem comorbidades.

Segundo o plano municipal de vacinação, idosos entre 60 e 74 anos devem ser imunizados na segunda fase. Está previsto, até o fim de fevereiro, caso a chegada das doses de vacina não atrase, a imunização de idosos a partir de 80 anos.

Nesta sexta-feira, o secretário municipal de Educação Renan Ferreirinha demonstrou na escola Municipal Pereira Passos, no Rio Comprido, parte das adaptações que estão sendo feitas para a volta da comunidade escolar. Na unidade, os quadros dos aniversariantes ainda estão com as datas de março de 2020, quando as aulas foram suspensas no Rio.

— Não estamos voltando como era antes da pandemia. É de fato um novo normal que vai durar enquanto estivermos enfrentando a doença. Mas queríamos mostrar que é possível a escola funcionando seguindo os protocolos sanitários. O que nossas crianças e jovens estão fazendo agora? Estão na informalidade, estão em outras situações que não desejamos — afirmar Ferreirinha, que explica .

— É um processo dinâmico. É importante que entendam que é um momento de incertezas, mas estamos ancorados pela ciência. Nosso comitê e a secretaria de Saúde vem trabalhando conosco. Nosso plano prevê o fechamento temporário de unidades se for necessário. Mas queremos encorajar as famílias e alunos a conhecerem o protocolo e ter a segurança que as escolas podem funcionar muito bem.

As adaptações estão sendo realizadas nas mais de 1,5 mil unidades da rede municipal de educação. A prefeitura ainda terá que realizar obras em 44 unidades que está em situação crítica de infraestrutura e que ainda não possuem previsão de retorno.

No retorno às aulas presenciais os horários de entrada e saídas dos alunos serão escalonados, para evitar que estudantes de salas diferentes tenham contato. Para alinhar a oferta de transportes aos novos horários, a secretaria de Educação irá se reunir com a de Transportes para pedir um reforço, caso haja um aumento de demanda.

Como o protocolo definido prevê uma diminuição da capacidade das salas de aula se a situação onde a escola está se agravar, a prefeitura pode instituir rodízio entre os estudantes, caso o interesse pelas aulas presenciais seja maior do que o número de vagas naquele momento. Assim que o ano letivo começar, será feito um processo de avaliação dos alunos para os professores descobrirem as lacunas de aprendizado que ocorreu por causa da paralisação.

— Se a demanda ultrapassar a capacidade faremos um rodízio, e se necessário vamos priorizar os mais vulneráveis, como os excluídos digitalmente.

O retorno também vai priorizar os alunos mais novos, da educação infantil e primeiro e segundo ano do ensino fundamental. A volta das demais turmas deve acontecer entre os dias 10 e 17 de março, segundo o planejamento da prefeitura. Confira os principais pontos da retomada da educação municipal:

Segundo a secretaria municipal de Educação, um aplicativo especial para as aulas remotas será lançado em meados de fevereiro. Chamado de RioEduca, ele terá franquia de 1 gigabyte liberada para acesso pelos alunos e pais, por meio de parceria entre prefeitura e operadoras. No aplicativo serão disponibilizados materiais didáticos e aulas gravadas em video, com avaliação de atividades por professores, em modalidade chamada de “não simultânea”.

Por meio da plataforma, alunos também terão aulas ao vivo com professores com carga horária definida de acordo com a série. Alunos do 6º ao 8º ano terão 10 horas semanais de aula virtual. Estudantes do 9º ano terão 15 horas por semana, Alunos mais novos terão carga horária definida por cada unidade