Cerca de 30% dos hospitais privados têm estoque de anestésico e 'kit intubação' para apenas 5 dias, diz associação

O Globo
·1 minuto de leitura

RIO — Um levantamento da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp) divulgado nesta quinta-feira caracteriza novamente como crítica a situação dos estoques de anestésicos e 'kit intubação' nas unidades de saúde. Dados coletados em 71 instituições, mostram que cerca de 30% dos hospitais têm estoque desses insumos para apenas cinco dias ou menos.

De acordo com a Anahp, os hospitais tentaram fazer a importação de insumos da Índia, único país capaz de ofertar a demanda necessária para o mercado brasileiro. Porém, por questões regulatórias, que estão sendo tratadas em reuniões junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o processo ainda não pode ser concretizado.

Na semana passada, a pesquisa monitorou 88 unidades e indicou que 75% das instituições só tinha garantido, por uma semana ou menos, o abastecimento de insumos para pacientes com Covid-19.

Ainda segundo o levantamento, nove instituições privadas de saúde apresentam abastecimento crítico de oxigênio, com estoque inferior ou igual a cinco dias. Esses hospitais estão localizados em Belém (PA), Belo Horizonte (MG), Cuiabá (MT), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS) e São Paulo (SP). Ao todo, 66,20% das unidades tem estoque para uma semana e 11,27% apresenta volume para cinco dias.

A pesquisa também revela que a taxa de ocupação de leitos de UTIs destinadas a pacientes comCovid-19 é de 85,14% nestes hospitais. Os números apontam para uma leve melhora em relação aocenário da semana passada (90,77%). A associação alerta, porém, que porém, que "o tratamento dospacientes com Covid-19 é muito complexo, com alta taxa de permanência no leito, grande demandade suprimentos e cuidados intensivos por equipe multidisciplinar".