Cerca de cinquenta países já começaram a vacinar contra a covid-19

·3 minuto de leitura
Um farmacêutico dilui a vacina Pfizer COVID-19 enquanto a prepara para ser administrada aos funcionários e residentes da Goodwin House Bailey's Crossroads, uma comunidade de idosos em Falls Church, Virgínia, em 30 de dezembro de 2020.

Cerca de cinquenta países já iniciaram sua campanha de vacinação contra o novo coronavírus, um ano após o primeiro alerta lançado pelas autoridades chinesas à Organização Mundial de Saúde (OMS).

- China na vanguarda -

A China foi o primeiro país a iniciar uma campanha de vacinação reservada aos mais vulneráveis (trabalhadores e estudantes que viajam ao exterior, cuidadores, etc.)

Mais de cinco milhões de doses de vacinas experimentais chinesas foram aplicadas no país, que oficialmente aprovou uma desenvolvida pela Sinopharm na quinta-feira.

A Rússia começou em 5 de dezembro a imunizar trabalhadores em risco com a Sputnik V, desenvolvida pelo Centro Nacional Russo de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya.

Essa vacina já foi aprovada por Belarus e Argentina, que começaram sua campanha de vacinação na terça-feira. A Argélia seguirá seus passos em janeiro.

-O Reino Unido, primeiro no Ocidente -

O Reino Unido foi o primeiro país ocidental a autorizar a vacina desenvolvida pela aliança alemã-americana Pfizer-BioNTech.

Sua campanha começou em 8 de dezembro e mais de 950 mil pessoas já receberam a primeira das duas doses da vacina até 27 de dezembro, segundo números oficiais publicados nesta quinta-feira. O país também foi o primeiro a aprovar a vacina AstraZeneca-Oxford nesta quarta-feira, que será administrada a partir de 4 de janeiro.

No Ocidente, o Canadá e os Estados Unidos iniciaram suas campanhas em 14 de dezembro, a Suíça no dia 23, a Sérvia no dia 24, quase toda a União Europeia e Noruega no domingo e a Islândia na terça, todas com a vacina Pfizer-BioNTech.

Os Estados Unidos e o Canadá também foram os primeiros dois países a licenciar a vacina do laboratório Modern American. Mais de 2,8 milhões de americanos já receberam uma dose, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Na UE, a Alemanha é o país que mais vacinou até agora, com mais de 130 mil doses em cinco dias.

- A corrida de Israel -

No Oriente Médio, os Emirados Árabes Unidos foram os primeiros a lançar sua campanha com as doses da chinesa Sinopharm em 14 de dezembro em Abu Dhabi, a capital. No dia 23 de dezembro também aplicou doses da Pfizer-BioNTech.

Arábia Saudita e Bahrein iniciaram sua campanha em 17 de dezembro, Israel em 19 de dezembro, Catar em 23, Kuwait em 24. Omã deve iniciar sua campanha no domingo. Todos esses países escolheram inicialmente a Pfizer-BioNTech.

Israel, que se comprometeu a imunizar um quarto de sua população em um mês, já aplicou mais de 800.000 doses, Bahrein mais de 60.000 e Omã mais de 3.000, segundo dados oficiais.

Na América Latina, México, Chile e Costa Rica iniciaram sua campanha em 24 de dezembro, com as vacinas Pfizer-BioNTech.

Na Ásia, a Cingapura iniciou a vacinação nesta quarta-feira com o mesmo produto. Os demais países do continente não parecem ter a mesma pressa: Índia, Japão e Taiwan planejam iniciar suas campanhas no primeiro trimestre, Filipinas e Paquistão aguardarão o segundo e Afeganistão e Tailândia, meados de 2021.

Na África Subsaariana e Oceania, ainda não há planos de vacinação. Guiné, que começou na quarta-feira a injetar as primeiras 60 doses da Sputnik V antes de decidir se lança ou não sua campanha, aparece como pioneiro em seu continente.

jah/ber/mba/msr/mar/bc/jc/am