Cerca de mil migrantes menores permanecem no enclave espanhol de Ceuta

·1 minuto de leitura
Migrantes, incluindo menores, em Ceuta, em meio a soldados espanhóis, em 18 de maio de 2021

Cerca de mil menores migrantes continuavam nesta segunda-feira (24) no enclave espanhol de Ceuta, no norte da África, cenário na semana passada da entrada de milhares de pessoas vindas do vizinho Marrocos, para onde 7.500 já foram devolvidos, indicaram as autoridades locais.

Os menores desacompanhados perambulam pela pequena cidade de cerca de 85 mil habitantes ou em centros administrados pelas autoridades, que devem estudar cada caso para ver se voltam ao Marrocos ou permanecem na Espanha.

Um porta-voz do Ministério do Interior estimou estes menores em cerca de mil, lembrando que chegaram "entre 8.000 e 9.000" pessoas em Ceuta no início da semana passada, um número inédito.

As autoridades de Ceuta, um dos dois enclaves espanhóis no norte do Marrocos, elevam esse número para 10.000.

Cerca de 7.500 pessoas já foram devolvidas ao Marrocos, segundo o porta-voz do Interior, que não soube especificar quantos são menores.

ONGs advertiram que menores desacompanhados não podem ser devolvidos sem um exame detalhado de sua situação.

Na semana passada, dois migrantes morreram afogados enquanto tentavam nadar até Ceuta e um jovem marroquino foi reanimado após tentar suicídio.

Um menor sofreu uma fratura e precisou de ajuda da polícia no domingo.

Os milhares de migrantes, na sua maioria jovens, aproveitaram a flexibilização dos controles fronteiriços do lado marroquino, no contexto de uma crise diplomática entre Espanha e Marrocos.

Rabat se indignou com a decisão espanhola de fornecer cuidados médicos em um hospital ao líder da independência do Saara Ocidental, Brahim Ghali, um território que Marrocos considera seu.

O ministro espanhol da Justiça, Juan Carlos Campo, avaliou em um fórum econômico nesta segunda-feira que a crise com o Marrocos está em vias de ser resolvida.

tpe/du/mb/ap