Cervo é encontrado morto em praia da França e causa comoção no país; fuga de incêndio pode ter causado afogamento

Um filhote de cervo foi encontrado morto em uma praia na França. Por conta das queimadas que atingiam a região e das altas temperaturas do verão europeu neste ano, acredita-se que o animal tenha morrido afogado na praia, localizada em Biscarrosse, comuna no sudoeste da França, em uma tentativa de amenizar o calor ambiente. A imagem foi capturada por Sébastien Dupuy, que mora na região e encontrou o animal. Ele fez o registro e compartilhou em suas redes sociais, que passou a ter grande repercussão em toda a França, sendo mostrado em diversos canais de TV.

Onda de calor: Itália liga 'alerta vermelho' em 16 cidades

Vídeo: urso polar fica com lata presa à língua após buscar alimento em vilarejo na Rússia

Em relato à imprensa local, Dupuy contou que, como em todas as manhãs, caminhava em uma praia na cidade, quando o corpo do animal ser “deixado” na água, arrastada pelas ondas.

— De longe, notei algo bastante estranho, me aproximei e descobri este pequeno cervo que acabara de ser trazido pela maré — contou o morador ao canal de TV francês BFM. — Foi estranho. Golfinhos, botos, peixes trazidos pelo mar. Eu já vi isso. Mas veados pequenos como esses não são algo que se vê todos os dias.

Em poucas horas, o registro feito pelo francês se espalhou pela mídia local. Na repercussão, muitos franceses apontavam o caso como um símbolo dos danos causados a milhares de animais selvagens pelos incêndios que assolam a região de Gironde, departamento francês, situado no sudoeste do país.

Incêndios florestais: superfície queimada na União Europeia supera a de 2021

Segundo as principais associações de defesa dos animais da França, trata-se de uma “morte silenciosa” da fauna local.

— Acho que o animal ficou preso na praia, entre as chamas e a fumaça, e não teve escolha a não ser pular [no mar] — cogita Dupuy. Segundo ele, a maré, então, teria jogado o animal, já sem vida, de volta à praia, um pouco mais ao sul, na praia de Biscarrosse, onde Dupuy pesca regularmente.

O cenário, contudo, é considerado esperado por Philippe Rocq, presidente da associação Secours animalier Sud Bassin, em contato com site Franceinfo.

— Um animal está sempre pronto para fazer qualquer coisa para evitar as chamas. Está em seu instinto de fugir do fogo, que é, para ele, o elemento mais perigoso da natureza — explica. — Estes são animais da floresta. Portanto, eles estão completamente inconscientes do risco que o oceano representa. Com as queimadas, a vida selvagem está em perigo. Especialmente os animais mais lentos como esquilos, pequenos lagartos ou coelhos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos