Chacina de família no DF: Quarto suspeito atuava para o PCC de dentro da Papuda

A PC encontrou impressões digitais do suspeito no cativeiro onde ficaram as vítimas e no carro de uma das pessoas assassinadas.

Chacina de família no DF: Quarto suspeito de envolvimento no crime trabalharia para PCC de dentro da prisão - Foto: Divulgação/PCDF
Chacina de família no DF: Quarto suspeito de envolvimento no crime trabalharia para PCC de dentro da prisão - Foto: Divulgação/PCDF

O quarto suspeito de cometer a chacina de família no Itapoã (DF), Carlomam dos Santos Nogueira, de 26 anos, é integrante da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) e foi alvo de operação da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) enquanto ficou preso no Complexo Penitenciário da Papuda, em 2018.

A Polícia Civil encontrou impressões digitais do suspeito, que é considerado foragido, no cativeiro onde ficaram as vítimas e no carro de uma das pessoas assassinadas.

Outros três suspeitos, de 56, 49 e 34 anos, já foram detidos por policiais da 6ª Delegacia de Polícia Civil de Paranoá (DF). Dois dos presos foram flagrados um com R$ 40 mil na conta e o outro com R$ 14 mil em espécie.

Carlomam, era um dos 13 detentos que foram investigados no âmbito da Operação Prólogo, que mirou presidiários conectados ao PCC, que surgiu em São Paulo, os quais tentavam desenvolver uma célula da organização criminosa na capital federal.

Na ocasião, os investigadores descobriram que os presos se correspondiam com a hierarquia do PCC por meio de cartas que saíam dos estabelecimentos penitenciários levados pelos visitantes. Além disso, advogados teriam colaborado para a suposta troca de mensagens.

Durante a operação, os policiais cumpriram 13 mandados de prisão preventiva, bem como 13 de busca e apreensão, em 11 celas de quatro unidades prisionais da Papuda.

Um dos bilhetes apreendidos pela PCDF, em 2018, mostrava que os presos tinham matrícula e eram apadrinhados por integrantes da hierarquia superior da organização.

Chacina de família

Carlomam é considerado foragido e estaria envolvido na chacina da família. Ele teria, segundo as investigações, relação próxima com outro envolvido.

  • A polícia encontrou na última semana sete corpos; cinco deles eram dos desaparecidos. As vítimas são:

  • Elizamar da Silva, 39;

  • três filhos dela — os gêmeos Rafael e Rafaela da Silva, 6 anos, e Gabriel da Silva, 7; e

  • Marcos Antônio Lopes de Oliveira, sogro da cabeleireira.

Ainda estão desaparecidos:

  • O marido de Elizamar, Thiago Gabriel Belchior, de 30 anos

  • A sogra de Elizamar, Renata Juliene Belchior, de 52 anos

  • A cunhada de Elizamar, Gabriela Belchior, de 24 anos

  • A ex-mulher de Marcos Antônio, Cláudia Regina Marques de Oliveira

  • A filha de Marcos e Regina, Ana Beatriz Marques de Oliveira.