Chacina no DF: Corpos encontrados carbonizados em carro são de cabeleireira e três filhos

O Instituto Médico Legal identificou que os corpos encontrados carbonizados dentro de um carro em Goiás são da cabeleireira Elizamar da Silva, de 37 anos, e de seus três filhos, Gabriel, de 7, e os gêmeos Rafael e Rafaela, de 6.

Crime: 'Esses monstros destruíram nossa família': irmã de cabeleireira diz que autores de chacina no DF eram 'de casa' e revela pânico

Chacina de família no DF: entenda o caso em cinco pontos

Os corpos foram identificados através de exames de DNA e análise das ossadas. Dona de um salão de beleza na Asa Norte, Elizamar e os filhos estavam desaparecidos desde 12 de janeiro. No dia seguinte, o carro dela foi encontrado em Cristalina (GO) com quatro corpos carbonizados dentro.

No sábado, 14 de janeiro, um carro foi encontrado em Unaí, em Minas Gerais, com os outros dois corpos em estado semelhante. Na quarta-feira, um sétimo cadáver foi descoberto no local onde outras duas vítimas, a sogra e a cunhada de Elizamar, ainda desaparecidas, teriam sido mantidas em cativeiro, numa chácara em Planaltina. O corpo foi identificado como sendo o de Marcos Antônio Lopes de Oliveira, de 54 anos, que até então era tido como um dos principais suspeitos do crime.

Também no dia 12, o marido de Elizamar, Thiago Gabriel Belchior, de 30 anos, desapareceu com a irmã, o pai e a mãe. Era do sogro da cabeleireira o carro encontrado queimado em Unaí, a cerca de 120 quilômetros de Cristalina. Segundo a Polícia Civil de MG, os dois corpos que estavam dentro do veículo são de duas mulheres.

Possíveis mandantes

Até o momento, três homens apontados como os possíveis executores do crime foram presos: Horácio Carlos Ferreira Barbosa, Gideon Batista de Menezes, e Fabrício Silva Canhedo. Em depoimento, um deles afirmou que os mandantes do crime eram o marido de Elizamar, Thiago Gabriel Belchior de Oliveira, e seu pai, Marcos Antônio Lopes de Oliveira.

O corpo do sogro de Elizamar foi encontrado nesta quarta-feira em uma chácara na qual outras vítimas teriam sido mantidas em cativeiro. A Polícia de Goiás trabalha com duas linhas de investigação. Em uma delas, pai e filho são os mandantes do crime e, em outra, vítimas.