Chacina no DF: quarto suspeito de assassinar família é preso

Carlomam dos Santos Nogueira, o quarto suspeito de assassinar 10 integrantes da mesma família, no DF, foi preso na tarde desta quarta-feira. Outros três suspeitos já haviam sido detidos: Horácio Carlos Ferreira Barbosa, Gideon Batista de Menezes e Fabricio Silva Canhedo. Um adolescente de 17 anos, quinto suspeito de envolvimento nos assassinatos, foi apreendido e em seguida liberado pela Polícia Militar nesta terça-feira.

Ao GLOBO, a Polícia Civil afirmou que não pode confirmar por qual meio Carlomam foi preso. Segundo o portal g1, ele teria se entregado. Ele está na 6ª Delegacia de Polícia, no Paranoá.

Última vítima desaparecida: corpo de jovem de 19 anos é o décimo da mesma família identificado pela polícia

Menor liberado: polícia libera adolescente suspeito de participação no crime

Veja: bilhete escrito para atrair família a emboscada indica que suspeitos tinham intenção de matar até as crianças

Também nesta quarta-feira, a Polícia havia divulgado que daria uma recompensa de R$ 20 mil para a denúncia que contribuísse, "de forma efetiva", com a prisão do foragido que foi detido posteriormente, no mesmo dia.

Segundo o documento, "evidências colhidas ao longo da investigação em curso na 6ª DP apontam relação de Carlomam com outro envolvido no crime. Há também evidências de natureza técnica que o vinculam ao cativeiro e ao carro de uma das vítimas".

Corpo de jovem de 19 anos é o décimo da mesma família identificado pela polícia

O corpo de Ana Beatriz Marques de Oliveira, de 19 anos, foi o décimo da mesma família identificado pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF). A identificação foi realizada nesta quarta-feira, entre os três corpos encontrados em uma cisterna, e confirmada pela PCDF ao portal g1. De acordo com a Polícia, a identificação foi feita por sequenciamento genético.

Os outros dois corpos na cisterna eram de Thiago Gabriel Belchior da Oliveira e Cláudia Regina Marques de Oliveira, mãe de Ana Beatriz. A jovem era a última vítima desaparecida no caso da chacina de uma família no DF que, agora, tem 10 pessoas assassinadas.

A suspeita da polícia é a de que o crime esteja ligado a R$ 400 mil obtidos pela mulher de Marcos Antônio e mãe de Thiago Gabriel, Renata Juliene Belchior, de 52 anos, com a venda de uma casa em Santa Maria (DF). E a R$ 100 mil de um empréstimo pedido pela mulher de Thiago e nora de Marcos, a cabeleireira Elizamar da Silva, de 39 anos.