Chanceler da Rússia contraria regra de Putin e chama guerra de guerra

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 14.11.2019 - O presidente russo, Vladimir Putin. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 14.11.2019 - O presidente russo, Vladimir Putin. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em uma longa entrevista coletiva em que repetiu a narrativa geral do Kremlin acerca da Guerra da Ucrânia e do conflito com o Ocidente liderado pelos Estados Unidos, o chanceler russo, Serguei Lavrov, chamou atenção por um detalhe semântico de sua fala nesta quarta (18).

Questionado por jornalistas no tradicional evento em Moscou em que faz um balanço do ano anterior sobre qual seriam as palavras que definiram 2022 para ele, o decano da diplomacia mundial disse que guerra foi a mais trágica e vitória, a mais encorajadora.

Em 26 de fevereiro do ano passado, dois dias depois do início das hostilidades, o governo russo determinou à mídia do país que o uso dos termos guerra ou invasão estava vetado, em favor do anódino operação militar especial.

Em 4 de março, duas leis criminalizaram críticas à ação de Vladimir Putin ou às Forças Armadas, podendo levar a 15 anos de cadeia e levando ao fechamento de dezenas de veículos independentes remanescentes no país.

A leitura do diploma legal é discricionária. Aliados do governo já usaram o termo em noticiário de TV e não foram punidos. Apesar de o Kremlin só usar o termo oficial, o próprio Putin escorregou em um discurso no fim de 2022 e usou a palavra guerra, mas a fala pensada de Lavrov mostra os limites da estratégia.

No mais, o discurso do chanceler repisou temas tocados por ele semanalmente. Lavrov culpou os EUA por levar o Ocidente a forçar o conflito com os ucranianos, disse que a relação entre Moscou e Washington "não será como antes", rejeitou um plano de paz sem a participação ocidental como "sem sentido".

De forma que atrairá polêmica, voltou a usar paralelos da situação atual com a luta contra o nazismo. Lavrov afirmou que o Ocidente se comporta como "Napoleão e Hitler", em referência ao imperador francês e ao ditador alemão que invadiram a Rússia, e que via solucionar a "questão russa" com a guerra.

"Questão judaica" era o eufemismo dos altos escalões nazistas para lidar com o extermínio da população judia da Europa na Segunda Guerra Mundial (1939-45). No ano passado, Lavrov irritou o governo de Israel, o Estado judeu viabilizado pela tragédia do Holocausto, por ter dito que "Hitler tinha sangue judeu". Tel Aviv, que tem boas relações com Moscou, apoia Kiev.